UMA ANÁLISE DA INSERÇÃO DA TEMÁTICA ÉTNICA E RACIAL NOS COMPONENTES CURRICULARES NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE NÍVEL SUPERIOR DOS ESTADOS DE ALAGOAS E SERGIPE

Victor Araújo dos Anjos

Resumo


O Ministério da Saúde (MS), considerando as condições desfavoráveis de saúde da
população negra, que constitui atualmente mais da metade da população do país, e visando
tanto à eliminação das iniquidades quanto à redução dos agravos que incidem nas altas e
desproporcionais taxas de morbidade e mortalidade neste grupo populacional, elaborou a
Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN) (BRASIL, 2008).
Dentro desse contexto, é notória a importância da implementação da temática étnica
racial nas universidades públicas, justamente pela capacidade dessas instituições na
disseminação de conhecimento e aumento da sua relevância nos meios de aprendizagem e
formação acadêmica, tornando viável transformações que podem ser alcançadas na
reorganização da atenção à saúde, através da adoção de ações institucionais globalizantes e
includentes. Além disso, a desigualdade de raça é estruturante da desigualdade social
brasileira e inúmeras são as evidências que apontam as barreiras à participação igualitária dos
negros em diversos campos da vida social e para as consequências que estas desigualdades e
discriminações produzem não apenas para os negros, mas para a sociedade como um todo.
Dessa maneira, o racismo e o racismo institucional são práticas que colocam pessoas de
grupos raciais ou étnicos em situação de desvantagem no acesso aos benefícios gerados pela
ação das instituições e organizações, como, por exemplo, na morosidade da implementação de
políticas públicas.
Diante disso, esse trabalho tem como objetivo “Analisar a inserção da temática
étnica racial nos componentes curriculares em instituições de nível superior nos cursos
de saúde dos estados de Sergipe e Alagoas no período de 2010 a 2016”.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i22.3895

Apontamentos

  • Não há apontamentos.