MEMÓRIA E MURO: AS MUDANÇAS NA CULTURA ESCOLAR E MEMÓRIA NO/SOBRE O CEEFF A PARTIR DA MODIFICAÇÃO DO MURO

João Paulo dos Santos Cerqueira

Resumo


O colégio Estadual Edite Ferreira Fonseca está localizado na cidade de Santo Estevão Ba, no bairro de Centro, considerado um dos redutos da violência urbana e da marginalidade da mesma. Foi implantado no ano (1979) e atende desde o ensino fundamental II até o ensino médio.
A partir do ano de (2009) o seu muro de separação com o exterior sofreu um considerável aumento sob o argumento de maior periculosidade na cidade. Entretanto, outros colégios e escolas que se localizam no seu entorno não tiveram esta atitude e nem tampouco exprimiram terem sido por esta violência.
Este projeto busca investigar compreender e analisar as representações sociais sobre a violência em Santo Estevão sob a ótica dos sujeitos da escola Edite Ferreira . A problemática em busca entender de que forma o aumento das dimensões do muro surgiu de um tipo especifico de cultura escolar nesta e desta instituição escolar, sendo o muro um lugar da memória das relações sócias travadas entre a cidade e a escola. O presente trabalho se insere no campo da História da Cultural da Educação partindo de uma problemática que cruza as diferenças sociais como classe e identidades sócio-raciais nas representações sobre a Instituição escolar focada, seu espaço, seu muro e a violência na cidade de Santo Estevão.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i22.3916

Apontamentos

  • Não há apontamentos.