A REPRESENTAÇÃO DA AVIFAUNA DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO PRATIGI NA COLEÇÃO DE AVES DO MUSEU DE ZOOLOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, BAHIA.

Carolina Figuerêdo Costa

Resumo


O conhecimento da diversidade de aves brasileiras começou muito tardiamente,
sendo este país um dos últimos das Américas a ter a sua natureza explorada de maneira
mais consistente e organizada. As restrições impostas pela Coroa Portuguesa à entrada
de pesquisadores estrangeiros no Brasil só foram relaxadas a partir da fuga da família
real para o Rio de Janeiro, no começo do século XIX (Silveira & Olmos, 2007). O
surgimento de procedimentos para a manutenção de espécimes com finalidades
científicas ou mesmo puramente expositivas, iniciou-se apenas no Século 19 (Silveira &
Olmos, 2007).
Coleções ornitológicas sempre foram centros de produção e difusão do
conhecimento básico sobre a diversidade e distribuição de aves no Brasil, país que se
destaca no cenário mundial como um dos de maior riqueza ornitológica, rivalizando
apenas com a Colômbia e o Peru (CBRO 2007).
Além de contribuir para a formação de alunos de graduação e pós-graduação, as
coleções de aves brasileiras têm contribuído para o aprimoramento da qualidade do
ensino fundamental e médio de ciências biológicas e educação ambiental em todo o
país. O fortalecimento e ampliação das coleções de aves brasileiras representam,
portanto, um investimento seguro no aprimoramento do conhecimento e preservação da
biodiversidade do país (Aleixo & Straube, 2007).
A Área de Proteção Ambiental do Pratigi (APA do Pratigi) foi criada em 02 de
abril de 1998, a partir do decreto estadual n° 7.272. Com uma área total de 472.455
Km2, estende-se por cinco municípios do Baixo Sul da Bahia, três deles integralmente
inseridos na sua poligonal (Igrapiúna, Ituberá e Piraí do Norte), e dois deles
parcialmente inseridos (Ibirapitanga e Nilo Peçanha) (GONÇALVES, 2014). Integrante
no corredor central da Mata Atlântica, torna-se estratégica no sentido da conservação
desde bioma, uma vez que comporta, dentro dos seus limites, uma área remanescente de
floresta de 35.686 ha, que é um dos principais remanescentes florestais do estado
(ROCHA, 2010).
O presente estudo aborda dados acerca da avifauna presente em duas
macrorregiões da APA Pratigi, inseridas nas cidades Ibirapitanga e Igrapiúna,
referenciados como Ecopolo I e II, respectivamente. Assim, foi realizado um
inventariado das espécies presentes nos Ecopolos I e II e que estão depositados no
acervo da Coleção de Aves do Museu de Zoologia da Universidade Estadual de Feira de
Santana (MZFS). Estima-se que com os presentes dados fornecidos acerca da riqueza,
ocorrência e status das espécies, seja possível otimizar o planejamento de expedições de
coletas para a região focando as espécies menos coletadas, auxiliando a economizar
tempo e recursos financeiros que são empregados em pesquisas científicas promovidas
por instituições que as fomentam.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.