Estudo da recuperação do herbicida atrazina em águas naturais empregando Cromatografia Líquida de Alta eficiência (HPLC)

Pricília Santos Pereira Gomes

Resumo


Os pesticidas são empregados, em larga escala, no controle de pragas em vários países, entretanto, estes podem ser nocivos ao meio ambiente, agredindo o solo e a água, além de apresentar fatores de risco a saúde de animais, inclusive o ser humano, haja vista que o índice de intoxicação por pesticidas é alto, principalmente em países em desenvolvimento (Delgado & Paumgartten, 2004). Dentre os herbicidas mais utilizados no mundo, tem-se a atrazina, pertencente à família das triazinas. Estes herbicidas podem sofrer degradação biológica ou química após serem aplicadas ao solo, formando metabólitos que são muitas vezes mais nocivos que o próprio herbicida. O uso exacerbado pode comprometer a qualidade da água dos rios, lagos e outras reservas de água potável, pois é empregado em vários tipos de culturas
A atrazina (AT) apresenta alta persistência em diferentes ambientes aquáticos, atrelado a isso grande potencial danoso para animais que vivem neste meio e ainda para o ser humano. Existem três principais vias de degradação de AT para formação de metabolitos: dealquilação biológica, hidrólise química e hidrólise biológica (COELHO & BERNARDO, 2012). Com a degradação de AT, vários metabolitos podem ser formados, dentre estes, 2-hidroxiatrazina (ATOH), desetilatrazina (DEA) e desisopropilatrazina (DIA) e desetildeisopropilatrazina (DEDIA), objetos de estudo deste trabalho. Este trabalho visa desenvolver uma metodologia de separação de AT, ATOH, DIA, DEA e DEDIA empregando Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (HPLC) utilizando colunas C18 convencional e monolítica para recuperação desses analitos em amostras de águas naturais.


Texto completo:

PDF PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i22.4035

Apontamentos

  • Não há apontamentos.