O uso do gerúndio em Luanda-Angola

Abimael Ferreira dos Santos

Resumo


Estudos sobre o português do Brasil (PB) ressaltam a importância dos estudos linguísticos embasados na sócio-história do país e também da colonização portuguesa, buscando explicar alguns fenômenos linguísticos, sendo um deles, o uso do gerúndio. O gerúndio é uma forma nominal do verbo, sendo a sua principal característica uma ação de continuidade, ou seja, um processo verbal não finalizado. O verbo no gerúndio é composto pela raiz do verbo + NDO, exemplo: Falar = fal + ndo = falando. No português-padrão, em Portugal para ser mais preciso, predomina hoje a construção formada de estar (ou andar) + preposição a + infinitivo, exemplo: Estava a passar uma linda garota naquela rua. “A construção de estar (ou andar) + gerúndio, preferida no Brasil, é a mais antiga no idioma e ainda tem vitalidade em dialetos centro-meridionais de Portugal” (CUNHA, 2008).
O interesse em estudar o uso do gerúndio em Luanda surgiu pela necessidade de analisar e buscar interpretar os processos morfossintáticos observados nos diferentes contextos dos portugueses e brasileiros, considerando a correlação de fatores sociais e linguísticos, isto é, pela necessidade de se analisar aspectos morfossintáticos em outras variedades do português.
Esperamos assim, com esse projeto, unir a Sociolinguística Variacionista (LABOV, 2008 [1972]) e a sócio-história do português de Luanda (PL), evidenciando que esta é capaz de responder a inúmeros questionamentos sobre a formação do PB.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.