COMUNIDADE FITOPLANCTÔNICA DE UMA LAGOA EUTROFIZADA (LAGOA GRANDE), FEIRA DE SANTNA, BAHIA

João Teixeira Xavier Neto

Resumo


Nos ecossistemas aquáticos o fitoplâncton, composto por microrganismos fotossintetizantes com tamanho variando desde 0,2 μm a 2000 μm comprimento e de morfologia diversa, constituído a base da cadeia alimentar em ambientes aquáticos, desempenhando assim um importante papel no equilíbrio e metabolismo do sistema (Esteves 1998, Beyruth 1996, Reynolds 2006).
Alterações naturais nas propriedades físicas e químicas da água, além do input de fósforo e nitrogênio oriundos de atividades antrópicas costumam acarretar floração ou blooms de microalgas no ambiente, com destaque para os grupos das Chlorophyta, Eulenophyta, Bacillariophyta e Cyanobacteria, estas últimas consideras como bioindicadores de sistemas antrópicos, o que tende a acarretar uma série de problemas e consequentemente ocasionando anoxia no sistema (Alcântara et al. 2011, Esteves 1998).
O município de Feira de Santana apresenta várias lagoas no seu entorno (Franca-Rocha & Nolasco 1998), entretanto, com a expansão urbana deste algumas se tornaram periurbanas e outras do centro urbano desapareceram. Recentemente, a lâmina d´água da Lagoa Grande foi recuperada pelo governo do Estado visando promover o bem-estar da população. Contudo, a água desta é imprópria para a recreação devido à entrada de esgotos, que pode levar o crescimento exagerado de microalgas acarretando a mortandade de peixes além promover odor desagradável.
Diante disso, e dado a carência de estudos da comunidade fitoplanctônica ocorrentes nas lagoas urbanas de Feira de Santana, o presente estudo visa conhecer as espécies de algas e cianobactérias presentes na Lagoa Grande e contribuir para estudos futuros que demandem do conhecimento da biodiversidade local.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.