GERMINAÇÃO DE SEMENTES E DESENVOLVIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DEPhysalis peruviana L. SUBMETIDAS AO ESTRESSE SALINO INDUZIDO POR DIFERENTES TIPOS DE SAIS

Karolini da Silva Cruz

Resumo


A Physalis peruviana L. pertecente a família Solanaceae é uma frutífera caracteriza-se pelo sabor doce e alto conteúdo de vitaminas (A, C, ferro e fósforo), sendo o principal grupo de esteróides encontrados no gênero são as fisalinas (TOMASSINI et al., 2000).Caracterizada como uma planta de crescimento indeterminado, necessita de fornecimento constante de água para o crescimento vegetativo e reprodutivo, especialmente na fase de formação dos frutos, garantindo altos rendimentos (FISCHER et al., 2012).
Para que as sementes germinem é necessário que existam condições favoráveis de luz, temperatura e disponibilidade de água (Carvalho e Nakagawa, 2012).Mas, nem sempre essas condições são adequadas, especialmente em solos salinos e sódicos. A alta concentração de sais é um fator de estresse para as plantas, pois reduz o potencial osmótico e proporciona a ação dos íons sobre o protoplasma. A água é osmoticamente retida na solução salina, de forma que o aumento da concentração de sais a torna cada vez menos disponível para as plantas (Ribeiro et al., 2001). A adaptação das plantas a esse estresse vem sendo avaliada pela capacidade germinativa das sementes e pela análise de crescimento.
Deste modo, este trabalho tem como objetivo avaliar o desenvolvimento pós-seminal, as taxas e velocidades de emergência, e o crescimento inicial de Physalis peruviana, sob efeito do estresse salino induzido por diferentes tipos de sais (NaCl, KCl, CaCl2 e MgCl2).


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i22.4162

Apontamentos

  • Não há apontamentos.