BLENDAS DE CARBOXIMETILCELULOSE E PECTINA DE BAIXA METOXILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE FILMES

Juli Barbosa Silva

Resumo


A embalagem desempenha um papel expressivo no setor alimentício devido a suas inúmeras aplicações. Filmes e revestimentos a base de polímeros biodegradáveis vem sendo desenvolvidos e pesquisados para utilização como embalagens de alimentos. Dentre os materiais estudados, os biopolímeros naturais, como os polissacarídeos e as proteínas, são os mais promissores, devido ao fato de serem abundantes, renováveis, e capazes de formar uma matriz contínua (GONTARD et al, 1993).
A fim de se obter filmes à base de polímero de fonte renovável, misturas físicas (blendas) de biopolímeros podem ser preparadas. A mistura de polímeros diferentes denomina-se blenda polimérica e possibilita a obtenção de novos materiais com propriedades muitas vezes superiores às dos componentes puros (SIQUEIRA et al, 1993). A principal vantagem das blendas é a simplicidade da preparação e fácil controle das propriedades físicas com a mudança das concentrações dos componentes. Neste contexto, o presente trabalho tem como objetivo obter e caracterizar filmes biopoliméricos a partir da blenda de carboximetilcelulose (CMC) e pectina de baixa metoxilação (PBM).


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i22.4198

Apontamentos

  • Não há apontamentos.