OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE EXTRAÇÃO DE ÓLEO DE LICURI

Tamila Ferreira Pereira

Resumo


O Licuri é uma palmeira nativa do território brasileiro, sendo seu nome científico Syagrus coronata. A mesma é natural do sul de Pernambuco, Alagoas e Sergipe, abrangendo toda a região norte de Minas Gerais e toda a região central, oriental e sul da Bahia, onde é mais comumente encontrada, portanto observa-se que é uma planta típica do semiárido nordestino, já que uma das suas principais características é a preferência por regiões secas e áridas da Caatinga (NOBLICK, 1986).
É uma palmeira que produz grandes quantidade de frutos anualmente, uma vez que floresce e frutifica durante todo o ano, mas apresenta maior frutificação entre maio e agosto, e o amadurecendo ocorre no período de outubro a dezembro (LORENZI, 1992). Embrapa (2007), afirma que os frutos são constituídos de polpa e amêndoas, que quando secos, possuem casca dura e coloração escura, revestindo uma amêndoa rica em óleo. Conforme Bondar (1938), as amêndoas possuem alto teor de lipídios e quando secas possibilita a extração de 38% (do total) de um óleo incolor, transparente e de densidade de 0,921 kg/dm3 a 15°C. A análise da composição nutricional do fruto do licuri realizada por Crepaldi et al. (2001) demonstrou que as amêndoas possuem alto teor de lipídeos, em média 49,2%, já a polpa, 4,5% de lipídeos.
O rendimento da extração do óleo depende do método a ser utilizado, assim como de alguns parâmetros, tais como a pressão aplicada sobre a massa de grãos e o preparo prévio da matéria-prima a ser processada, como temperatura de prensagem, e teor de umidade das amostras que por sua vez é o fator que mais influencia na quantidade de óleo residual na torta (SINGH et al., 2002, apud PIGHINELLI et al. 2009). Para maior contribuição no uso total da planta, o resíduo da prensagem, além de ser designada a ração animal pode ser utilizado para a obtenção de princípios bioativos, como por exemplo enzimas, uma vez que possui uma constituição nutricional favorável ao crescimento microbiano. No entanto, para a torta ser utilizada como meio fermentativo, esta deve apresentar baixo teor de óleo resultante após a extração por prensagem, possibilitando a absorção da quantidade de água necessária para se obter uma umidade que favoreça este crescimento microbiano em uma fermentação semissólida. Para aperfeicoar a eficiência da extração, visando atender as comunidades produtoras de licuri o presente trabalho propõe otimizar o processo de extração de óleo de licuri por prensagem visando a identificação das principais variáveis envolvidas no processo e a implementação dessa nova tecnologia para o desenvolvimento de produtos de elevado valor agregado.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i22.4221

Apontamentos

  • Não há apontamentos.