FLORA DA BAHIA: LEGUMINOSAE – TAXONOMIA DE MACROPTILIUM (PAPILIONOIDEAE) E MORFOLOGIA DAS PAPILAS DO ESTANDARTE

Carolina Lima Ribeiro

Resumo


Macroptilium (Benth.) Urb. pertence à subtribo Phaseolinae e é composto por 20 espécies distribuídas apenas na América, das quais 13 ocorrem no Brasil e nove delas na Bahia (Snak & Delgado-Salinas 2018). Na morfologia floral típica do gênero, as alas são bem evidentes e o estandarte reduzido em tamanho, geralmente reflexo na parte superior lateral da flor, apresentando duaas aurículas laterais na base da lâmina (Barbosa-Fevereiro 1987). Em algumas espécies há o desenvolvimento de papilas no estandarte, nas aurículas e entre elas. Mesmo sendo identificado em algumas espécies, ainda não se sabe qual a função dessas papilas. Assim faz-se necessário o estudo morfológico dessas papilas como um caráter no gênero e ser potencial uso na taxonomia.
Algumas revisões taxonômicas do gênero foram feitas por Beyra & Reyes (2005) em Cuba, Drewes (1995) na Argentina e Barbosa-Fevereiro (1987) no Brasil. Entretanto, muitos espécimes depositados nos herbários não condizem com nenhuma das espécies descritas até então. Considerando a diversidade de espécie de Macroptilium na Bahia, é de extrema relevância a revisão do gênero no estado para uma delimitação morfológica das espécies e compreensão da sua taxonomia. Desta forma, esse trabalho teve como objetivo realizar um estudo taxonômico do gênero Macroptilium na Bahia e o estudo morfológico das papilas do estandarte contribuindo para o conhecimento da diversidade botânica do Estado.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.