SABERES VIVENCIAIS: O TRABALHO DO PENSAMENTO SOCIAL NO CAMPO DA EDUCAÇÃO

Álamo Pimentel

Resumo


O pensamento social contemporâneo está inscrito num amplo de- bate sobre as crises de interpretações que afetam as bases conceituais da modernidade. A educação está no “olho” da crise, suas origens filosófico- científicas são questionadas, sobretudo pelos excessos didático- metodológicos que rompem com os vínculos entre “escola” e outros espaços sociais. O presente ensaio busca indicar, em caráter provisório, a educação como uma das dimensões do pensamento social que além de interdisciplinar deve se reconhecer como intercontextual pela diversidade de espaços e tempos sociais e culturais em que se faz presente. Aqui estão expostas algu- mas qualidades dos mitos, das artes, das filosofias, das ciências e do senso comum que podem servir de inspiração para a compreensão da relação pro- funda entre saberes e vivências. A construção do texto busca suas referên- cias em autores contemporâneos que vêem as crises de interpretação do nosso tempo como um convite novas formulações para a ampliação do pre- sente. Ao lado destes autores o texto indica que o pensamento social pode oferecer novas compreensões para a ciência e todas as demais formas de sa- beres que com ela constroem, através da educação, suas práticas de afirma- ção, formação e transformação do humano no mundo.


Texto completo:

PDF

Referências


BALANDIER, Georges. A desordem: elogio do movimento. Trad. Suzana Martins. Rio de Janei- ro: Betrand Brasil, 1997a.

BALANDIER, Georges. O contorno: poder e modernidade. Trad. Suzana Martins. Rio de Janei- ro: Bertrand Brasil, 1997b.

BALANDIER, Georges. O Dédalo: para finalizar o século XX. Trad. Suzana Martins. Rio de Janeiro: Betrand Brasil, 1999.

BASTIDE, Roger. O candomblé da Bahia. Trad. Maria Isaura Pereira de Queiroz. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

BURKE, Peter. A arte da conversação. Trad. Álvaro Luiz Hattner. São Paulo: UNESP, 1995.

CABERLON, Dario. Elementos para uma antropologia filosófica no pensamento de Rodolfo Kusch. Porto Alegre: PUC, 1989. Dissertação. Curso de Mestrado em Antropologia Filosófica, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, PUCRS, 1989.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário na República do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

DAMÁSIO, Antonio R. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. Trad. Dora Vicente e Georgina Segurado. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

DIKBOBA. O primeiro aprendizado. In: Id. Vozes da origem. Trad. Betty Midlin. Rio de Janeiro: Record, 2007.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1994a.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador, v. 1. Trad. Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1994b.

GUELMAN, Leonardo. Brasil: tempo de gentileza. Rio de Janeiro: EdUFF, 2000. HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1999. KUSCH, Rodolfo. América profunda. Buenos Aires: Bonum, 1986.

LEENHARDT, Maurice. Do Kamo: la personne et le mythe dans Le monde mélanésien. Paris: Gallimard, 1971.

MACEDO, Roberto Sidnei. Currículo, diversidade e equidade: luzes para uma educação inter- crítica. Salvador: EDUFBA, Líber Livro, 2007.

MARLEAU-PONTY, Maurice. O olho e o espírito. Trad. Paulo Neves e Maria Ermantina Galvão Gomes. São Paulo: Cosac e Naif, 2004.

MATURANA, Humberto. A ontologia da realidade. Trad. Cristina Magro, Miriam Graciano e Nelson Vaz. Belo Horizonte: UFMG, 1997.

PASCAL, Blaise. Pensamentos. Trad. Sergio Milliet. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2008a.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A filosofia à venda, a douta ignorância e a aposta de Pascal. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 11-43. Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 2008b.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experi- ência. São Paulo: Cortez, 2000.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1997.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento, 1999.

ZAMBRANO, Maria. A metáfora do coração. Trad. José Bento. Lisboa: Assírio e Alvim, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v14i1.1455

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973