O uso de ferramentas computacionais na elaboração do Vocabulário de Eulálio Motta: AntConc e FLEx

Liliane Lemos Santana Barreiros

Resumo


Com o crescente desenvolvimento das tecnologias computacionais, várias ferramentas estão disponíveis com o intuito de facilitar a construção de obras lexicográficas (dicionários, vocabulários, glossários etc.). Neste trabalho, objetiva-se descrever a funcionalidade e as etapas de aplicação de dois programas utilizados para a construção do Vocabulário do escritor baiano Eulálio de Miranda Motta: o AntConc, para a análise do corpus, e o Fieldworks Language Explorer (FLEx), para a organização do banco de dados e a edição dos verbetes. Adotou-se como base os princípios teórico-metodológicos da Lexicografia moderna (BIDERMAN, 1978; 1984; 2001; HAENSCH, 1982; WERNER, 1982; VILELA, 1983; 1995; PORTO DAPENA, 2002, entre outros) e da Linguística de corpus (BEBER SARDINHA, 2004; OTHERO; MENUZZI, 2005). Delimitou-se como corpus desta pesquisa 215 textos em prosa, escritos em vida ou publicados postumamente, sendo: 36 textos publicados na coluna Rabiscos do jornal Mundo Novo (1931 a 1932, Mundo Novo-BA); 17 textos publicados no jornal O Lidador (1933 a 1935, Jacobina-BA); 45 textos publicados no jornal O Serrinhense (1950 a 1951, Serrinha-BA); 24 textos publicados no jornal Gazeta do Povo (1960-1961, Feira de Santana-BA); 43 panfletos escritos de 1949 a 1983 (BARREIROS, P., 2015) e 50 causos que compõem Bahia Humorística, escritos de 1933 a 1934 (BARREIROS, L., 2016). Entende-se que essa seleção de 215 textos atende aos diversos suportes utilizados por Eulálio Motta para veiculação e divulgação de seus escritos, possibilitando inventariar o vocabulário usado pelo escritor durante um período de mais de 50 anos (de 1931 a 1983). O Vocabulário produzido é composto por 700 entradas, organizadas de A a Z, sendo 513 lexias simples, 35 lexias compostas e 152 lexias complexas (POTTIER, 1977), e tem como finalidade contribuir para a preservação de costumes e valores culturais do homem sertanejo, expresso no uso da língua. 


Texto completo:

PDF

Referências


ANTHONY, Laurence. AntConc (Versão 3.4.3) [Software de Computador]. Tóquio, Japão: Universidade de Waseda. 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2017.

BARBOSA, Maria Aparecida. Dicionário, vocabulário, glossário: concepções. In: ALVES, Ieda Maria. (Org.). A constituição da normalização terminológica no Brasil. 2. ed. São Paulo: FFLCH/CITRAT, 2001, p. 23-45.

BARREIROS, Liliane L. S. O vocabulário de Eulálio Motta. 359f. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

BARREIROS, Liliane L. S. Bahia Humorística: causos sertanejos de Eulálio Motta. Feira de Santana-BA: UEFS Editora, 2016.

BARREIROS, Liliane L. S.; TELLES, Célia M. As unidades fraseológicas no Vocabulário de Eulálio Motta. Revista Virtual de Estudos da Linguagem, v. 15, p. 17-36, 2017.

BARREIROS, Patrício N. O pasquineiro da roça: a hiperedição dos panfletos de Eulálio Motta. Feira de Santana-BA: UEFS Editora, 2015.

BARREIROS, Liliane Lemos Santana; BARREIROS, Patrício Nunes. O vocabulário da Ditadura Militar nos panfletos de Eulálio Motta. Linguística e Filologia Portuguesa (USP), São Paulo, v. 17, n. 2, p. 385-420, jul./dez., 2015.

BARREIROS, Patrício Nunes. Eulálio Motta: um panfletário no sertão da Bahia. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 67, São Paulo, p. 57-80, 2017.

BARREIROS, Patrício Nunes. Por uma abordagem da História Cultural das práticas de escrita na edição de textos. Alea: Estudos Neolatinos (Impresso), v. 19, p. 389-414, 2017.

BERBER SARDINHA, T. Linguística de Corpus. Barueri, SP: Manole, 2004.

BIDERMAN, Maria Tereza C. Teoria lingüística: teoria lexical e lingüística computacional. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BIDERMAN, Maria Tereza C. A ciência da Lexicografia. Alfa Revista de Linguística. São Paulo, n. 28 (supl.), p. 1-26, 1984.

BIDERMAN, Maria Tereza C. Teoria lingüística: lingüística quantitativa e computacional. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1978.

BIDERMAN, M. T. C. A Categoria do Gênero (nas línguas românicas). Tese (Livre-Docência). São Paulo: USP, 1974.

BIDERMAN, M. T. C. Análise Computacional de Fernando Pessoa (Ensaio de Estatística Léxica). Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas/USP, São Paulo, 1969.

DUBOIS, Jean et al. Dicionário de Linguística. 9. ed. Tradução de Frederico Pessoa de Barros et al. São Paulo: Cultrix, 1993 [1978].

HAENSCH, Günther. Tipología de las obras lexicográficas. In: HAENSCH, G. et al. La lexicografia: de la linguística teórica a la lexicografia práctica. Madrid: Gredos, 1982, p. 95-187.

OTHERO, Gabriel de A.; MENUZZI, Sérgio de M. Linguística computacional: teoria e prática. São Paulo: Parábola, 2005.

POTTIER, Bernard. Lingüística general: teoria y descripción. Trad. Maria Victoria Cantalina. Madrid: Gredos, 1977.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v18i2.1835

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973