Os fraseologismos no português falado no Nordeste brasileiro: unidades fraseológicas para designar a pessoa que não gosta de gastar seu dinheiro

Marcela Moura Torres Paim, Silvana Soares Costa Ribeiro

Resumo


Este trabalho apresenta resultados de investigação sobre a fraseologia referente ao campo lexical convívio e comportamento social com base nos dados do Projeto Atlas Linguístico do Brasil (Projeto ALiB). Está vinculado ao Projeto VALEXTRA (Variação lexical: teorias, recursos e aplicações): do condicionamento lexical às constrições pragmáticas, convênio CAPES/COFECUB 838/15 celebrado entre a Universidade Federal da Bahia e a Universidade Paris 13 (Laboratoire Lexiques Dictionnaires Informatique). Busca-se, a partir do material coletado na pesquisa, apresentar um estudo sobre a presença de fraseologismos nas entrevistas dos informantes, oriundos das capitais brasileiras, estratificados por sexo – homem e mulher – faixa etária – de 18 a 30 anos e de 50 a 65 anos – e nível de escolaridade – fundamental e universitário. O termo fraseologismo está sendo aqui concebido como o fenômeno da linguagem que se exprime através de associações sintagmáticas recorrentes (MEJRI, 1997). Parte-se do princípio de que as unidades fraseológicas são combinações de unidades léxicas, relativamente estáveis, com certo grau de idiomaticidade, formadas por duas ou mais palavras, que constituem a competência discursiva dos falantes, em língua materna, segunda ou estrangeira, utilizadas convencionalmente em contextos precisos, com objetivos específicos, como, por exemplo, as respostas que se obtém para a questão referente à pessoa sovina “como se chama a pessoa que não gosta de gastar seu dinheiro e, às vezes, até passa dificuldades para não gastar?” – mão de vaca, mão-fechada, pão-duro e unha de fome. No que diz respeito aos fraseologismos analisados, podem-se fazer algumas considerações: as criações lexicais analisadas contemplam a polilexicalidade; as unidades fraseológicas refletem uma expressão cristalizada, cujo sentido geral não é literal. Demonstra-se também o uso das expressões fraseológicas no território brasileiro relacionado aos fatores sexo, faixa etária e nível de escolaridade. Assim, as designações enfocadas possibilitam a documentação da diversidade lexical do português falado no Brasil, seguindo os princípios da Geolinguística Pluridimensional Contemporânea em que o registro segue os parâmetros diatópicos, diageracionais, diassexuais e diastráticos.

Texto completo:

PDF

Referências


AULETE, F. J.; VALENTE, A. L. dos S. Aulete Digital: Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2006. Disponível em: http://www.aulete.com.br/. Acesso em: 13 de maio de 2016.

COMITÊ NACIONAL. Atlas Lingüístico do Brasil. Questionários. Londrina: Ed. UEL, 2001.

FERREIRA, A. B. de H. Dicionário Aurélio Eletrônico: século XXI. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira e Ed. Lexikon (versão 3.0), 1999.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa. Elaborado pelo Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia e Banco de Dados da Língua Portuguesa S/C Ltda. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

MEJRI, S. Le figement lexical: descriptions linguistiques et structuration sémantique. Manouba: Publications de la Faculté des Lettres de la Manouba, 1997.

XATARA, C. Dicionário de expressões idiomáticas: português do Brasil e de Portugal - francês da França, da Bélgica e do Canadá. 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 set 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v19i4Especial.2860

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973