Lexicografia cultural do Semiárido baiano

Cosme Batista dos Santos

Resumo


Este trabalho tem como objetivo apresentar resultados parciais da pesquisa sobre a lexicografia cultural do semiárido baiano. A pesquisa foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB) e pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). O pressuposto central da pesquisa é a lexicografia cultural, atualizada a partir de pressupostos metodológicos da linguística aplicada, da etnolexicografia (PEREZ, 2000) e da pragmática lexicultural (GALISSON, 2001). Os estudos foram realizados em contextos de formação de educadores, a partir da pesquisa-formação (MARIANO, 2013), tendo como instrumentos a oficina de lexicografia cultural e a edição lexicográfica de palavras culturalmente relevante nas comunidades rurais e urbanas do sertão semiárido baiano. Durante a realização de oficinas, constatamos as dificuldades de trazer a dimensão pragmática das palavras para a edição de verbetes lexicográficos, por isso a proposta de trabalho é motivada por essa necessidade de conhecer os fundamentos da lexicografia (PONTES, 2001) e da lexicografia sociocultural (ISQUERDO, 1998). Em fichas lexicográficas, foram levantadas as palavras em corpus de língua falada, textos literários e documentários. No final de cada oficina, os professores em formação editaram os seguintes dicionários: o Dicionário regional do Uauá, organizado por uma educadora, em parceria com estudantes de Ensino Médio; o ABC do vaqueiro, organizado por um grupo de educadores da Plataforma Freire; e o ABC do artesanato Kiriri, por um grupo de Educadores da Licenciatura Intercultural de Educação Escolar Indígena.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Norma L.; CARNEIRO, Zenaide. Amostras da língua falada no semiárido baiano. Feira de Santana: UEFS, 2009.

AUROUX, Silvan. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

ARAGÃO, Maria do Socorro. A linguagem regional-popular no Nordeste do Brasil: aspectos léxicos. IX Simpósio Internacional de Comunicación Social, Santiago de Cuba. Actas I. Santiago de Cuba – Cuba: Centro de Linguística Aplicada – Santiago de Cuba, 2005, v. I, p. 457-459. Disponível em: http://www.profala.ufc.br/Trabalho2.pdf. Acesso em 01.12.2011.

ARAGÃO, Maria do Socorro. Falares nordestinos: aspectos socioculturais. Anais do VII Congresso Internacional da Abralin, Curitiba, 2011.

BAGNO, Marcos. Português ou brasileiro? Um convite à pesquisa. São Paulo: Parábola Editorial, 2001.

BARBOSA, Lúcia Maria de Assunção. O conceito de lexicultura e suas implicações para o ensino-aprendizagem de língua portuguesa. Filologia e Linguística Portuguesa, n. 10-11, p. 31-41, 2008/2009.

BASÍLIO, Margarida Maria de Paula. Estruturas lexicais do português: uma abordagem gerativa. Petrópolis: Vozes, 1980. Disponível em: http://www.filologia.org.br/vcnlf/anais%20v/civ6_18.htm. Acesso em: 16 dez. 2011.

BIDERMAN, Maria Tereza C. Os dicionários na contemporaneidade: arquiteturas, métodos e técnicas. In: OLIVEIRA, Ana M. Pinto Pires de; ISQUERDO, Aparecida Negri. As ciências do léxico. 2ª ed. Campo Grande: Editora UFMS, 2001, p. 131-144. Disponível em: http://acd.ufrj.br/~pead/tema05/formacaolexico.html. Acesso em: 10 dez. 2011.

BIDERMAN, Maria Tereza C. O dicionário como norma na sociedade. Lexicologia, lexicografia e terminologia: questões conexas. Anais do 1 Encontro Nacional do GT de Lexicografia e Terminologia da ANPOLL. 22-24 de abril de 1995, UFRJ – Rio de Janeiro. Cursos de Pós-graduação em Letras Vernáculas da Faculdade de Letras UFRJ e em Letras e Linguística da faculdade de Letras UFPE: CNPq, 1998b, p. 161-180. Disponível em: http://acd.ufrj.br/~pead/tema05/formacaolexico. .html. Acesso em: 10 dez. 2011.

BIDERMAN, Maria Tereza C. A formação e a consolidação da norma lexical e lexicográfica no português do Brasil. In: NUNES, José Horta Nunes; PETTER, Margarida (Orgs.). História do saber lexical e constituição de um léxico brasileiro. São Paulo: Humanitas – FFLCH/USP: Pontes, 2002.

CARDOSO, Elisângela. A sociolinguística sertaneja: uma experiência lexicográfica em escola pública de Uauá-Ba. Juazeiro: UNEB-DCH, 2012.

CALVET, Louis-Jean. Sociolinguística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes de fazer. São Paulo: Vozes, 1995.

DIONÍSIO, Ângela Paiva. Gêneros textuais e ensino. 5ª ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

GALISSON, Robert. Cultures et lexicultures. Pour une approche dictionnairique de la culture partagée. Cahiers de Linguistique Hispanique, v. 7, p. 325-341, 1988.

GALISSON, Robert. La pragmatique lexiculturelle pour accéder autrement, a une autre culture, par un autre lexique. Mélanges, n. 25 (Une didactique des langues pour demain / en hommage au Professeur Henri Holec), 2000.

GONÇALVES, Solange A. Por um planejamento linguístico local. Revista Investigações, v. 22, n. 2, jul./2009.

IRIARTE SANROMAN, Álvaro. A unidade lexicográfica. Palavras, colocações, frasemas, pragmatemas. Braga: Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, 2001.

ISQUERDO, Aparecida N. Vocabulário regional da Amazônia acreana. Alfa, São Paulo, p. 93-107, 1998.

ISQUERDO, Aparecida Negri. A propósito de dicionários de regionalismo do português do Brasil. In: ALVES, I. N.; ISQUERDO, A. N. (Orgs.). As ciências do léxico. Campo Grande: UFMS, 2007. Disponível em: http://www.mel.ileel.ufu.br/gtlex /viiengtlex /pdf/. Acesso em: 16 dez. 2011.

ISQUERDO, Aparecida Negri. Léxico em tempo e espaço: a questão dos regionalismos. In: MARIN, Jérri R.; VASCONCELOS, Cláudio A. (Orgs). História, região e identidades. Campo Grande: UFMS, 2003. Disponível em: http://www.mel.ileel.ufu.br/gtlex /viiengtlex /pdf/. Acesso em: 16 dez. 2011.

MARCUSHI, Luiz A. O léxico: lista, rede ou cognição social. In: NEGRI, Lígia; FOLTRAN, Maria José; OLIVEIRA, Roberta (Orgs.). Sentido e significação: em torno da obra de Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2004.

MELIA, Bartolomeu. Bilinguismo e escrita. In: D’ANGELIS, W.; VEIGA, J. (Orgs.). Leitura e escrita em escolas indígenas. Campinas: Mercado de Letras, 1997.

NUNES, J. Horta; PETTER, Margarida. História do saber lexical e constituição de um léxico brasileiro. São Paulo: Humanitas – FFLCH/USP; Pontes, 2002.

PRETI. Dino. Sociolinguística – os níveis da fala. São Paulo: EDUSP, 2003.

PRUVOST, Jean. Quelques concepts lexicographiques issus d’une formation française de lexicologie. 2004. Disponível em: http://kdictionaries.com/index.html#newsletter.

SANTOS, Boaventura S. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e política na transição paradigmática. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SANTOS, Cosme B. Letramento e comunicação intercultural. In: MENDES, Edleise; CASTRO, Maria Lúcia (Orgs.). Saberes em português. Campinas: Pontes, 2008.

SILVA E SILVA, Marlène. La lexiculturologie… en didactologie des langues-cultures. Synergies, n. 1, Portugal, p. 69-89, 2013.

SILVA E SILVA, Marlène F. La pragmatique lexiculturelle en éducation aux langues-cultures: étude d’un cas dans le contexte scolaire portugais. Thèse de doctorat. Braga: Université du Minho, 2006.

TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. 4ª ed. São Paulo: Ática, 1994.

XATARA, Claudia; BEVILACQUA, Clecir; HUMBLÉ, Philippe R. Marie (Orgs.). Dicionários na teoria e na prática. Como e para quem são feitos. São Paulo: Parábola, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v20i1.4739

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973