A anáfora direta no gênero digital comentário: a variação do nome (o referente) e seus determinantes condicionados à comunidade de prática no site Facebook

Cristina Normandia dos Santos, Maria Teresa Tedesco Vilardo Abreu

Resumo


Atualmente, o uso da língua tem se realizado em situações comunicativas cada vez mais amplas e distintas, porque as necessidades de uso da língua acompanham o intenso ritmo das demandas sociais, como é o caso das inovações tecnológicas. É elementar o crescente uso da língua em gêneros digitais como nos comentários publicados no site Facebook, o qual é constituído por comunidades práticas, conceito proposto por Coelho, Görski, Souza e May (2015), que define o locus de fenômenos linguísticos utilizados por interactantes, em perfis públicos como os jornalísticos. Isso implica, interativamente (KOCH, 2002), a variação do nome (o referente) com base em anáforas diretas, significativas estratégias textuais (MONDADA; DUBOIS, 2003), que explicitam a ativação cognitiva pelo acionamento do conhecimento de mundo (DIJK, 2012). Compreender a variação do nome (o referente) pelo processo da anáfora direta, no gênero digital comentário, no Facebook, possibilita o entendimento da heterogeneidade do sistema, isto é, o uso coletivo da língua nessa atividade discursiva específica. Diante disso, Tedesco (2013) afirma que o princípio do continuum no uso da língua é balizado pelos gêneros discursivos, fator externo (COELHO et al., 2015), os quais refletem as escolhas linguísticas presentes no projeto de dizer. A partir de uma observação participante, numa perspectiva etnográfica, e da análise de conteúdo dos enunciados do gênero digital comentário, o presente trabalho visa determinar a variação do nome (o referente) em gênero digital comentário, no site Facebook, pois os dados analisados apontam para a variação dos referentes como recategorizadores encapsuladores e recategorizadores avaliativos. Os encapsuladores conotam que a variação do nome indica, de modo consciente, que o projeto de dizer utiliza uma referência generalizada na apresentação de ponto de vista. Enquanto o uso de recategorizadores avaliativos conota que a variação do nome implica um ponto vista subjetivo, o qual reflete uma inconsistência argumentativa do gênero digital comentário. Tais aspectos de variação do nome (referente) são importantes nos estudos sobre o uso coletivo da língua, que determina o propósito dos estudos sociolinguísticos.


Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução de P. Bezerra. 5ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

BASÍLIO, Margarida. Teoria lexical. 7ª ed. 6ª impr. São Paulo: Ática, 2003.

CALVET, Louis-Jean. Sociolinguística. Uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.

CASTELLS, Manoel. A sociedade em rede. Tradução de R. V. Majer. 6ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CONTE, Maria Elisabeth. Encapsulamento anafórico. In.: CAVALCANTE, M. M; RODRIGUES, B. B.; CIULLA, A. (Orgs.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003, p. 191-228.

COELHO, Izete Lehmkuhl; GÖRSKI, Edair Maria; SOUZA, Christiane Maria N.; MAY, Guilherme Henrique. Para conhecer sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2015.

FRAGOSO, Suely; RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2016.

KOCH, Ingedore G. Villaça. A coesão textual. 11ª ed. São Paulo: Contexto, 1999.

_____. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 3ª ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividade de retextualização. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2003.

_____. Anáfora indireta: o barco textual e suas âncoras. In: KOCH, Ingedore G. Villaça;

_____; XAVIER, Antônio Carlos. Hipertextos e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MORATO, Edwiges Maria; BENTES, Anna Cristina (Orgs.). Referenciação e discurso. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2012.

MONDANA, L.; DUBOIS, D. Construção dos objetos de discurso e categorização: uma abordagem dos processos de referenciação. In: CAVALCANTE, Mônica Magalhães; RODRIGUES, Bernadete B.; CIULLA, Alena (Orgs.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003, p. 17-52.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. 2ª ed. Porto Alegre: Sulina, 2014.

TEDESCO, Maria Teresa. O processo de referenciação e a construção do texto argumentativo. 2002. (Tese de Doutorado) - Curso de Linguística, Letras e Artes, Pós-Graduação Linguística, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

_____. Educação a distância: o processo de interação e autoria em EAD na perspectiva da linguagem. In.: SIMÕES, Darcília (Org.). Semiótica, linguística e tecnologias de linguagem. Homenagem a Umberto Eco. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2013.

VAN DIJK, Teun A. Discurso e contexto: uma abordagem sociocognitiva. Tradução de Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v20i1.4740

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973