O vocativo nas formas de tratamento: análise de fragmentos do romance Meu destino é pecar, de Nelson Rodrigues

Fabiana Meireles de Oliveira, Yedda Alves de Oliveira Caggiano Blanco, Luiz Antônio da Silva

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar, especificamente, de que maneira o vocativo pode ser entendido como forma de tratamento, dentre os seus diversos níveis – formas pronominalizadas, nominais, vocativas e referenciais – ou, conforme propõe Silva (2008), como um indicador da dêixis social e como atividade estratégica de (des)cortesia comunicativa. Nesse sentido, entendemos que o vocativo, normalmente, na gramática, é tido como um termo que interpela ou chama o interlocutor, que se encontra separado da oração, ao passo que, na pragmática, os interactantes podem utilizá-lo na interação como forma de tratamento, ganhando uma dimensão contextual mais complexa e dinâmica no que se refere ao uso da linguagem, e também para expressar (des)cortesia verbal. Para a análise das formas vocativas (também chamadas de fórmulas apelativas), utilizamos fragmentos do romance Meu destino é pecar, de Nelson Rodrigues. A importância deste estudo se explica na medida em que o vocativo como forma de tratamento é uma atividade argumentativo-estratégica que excede as explicações de simetria e poder relativo (BROWN; LEVINSON, 1987[1978]), e das prescrições do socialmente convencionalizado. Assim, veremos que as relações de solidariedade e poder, como postulam Brown e Gilman (1960), nem sempre são as que determinam as formas de tratamento nas interações sociais. Finalmente, consideramos que as formas de tratamento expressam de modo significativo as relações sociais, e que tais atividades só podem ser compreendidas e abordadas contextualmente, interação a interação, conforme as finalidades estratégico-pragmáticas dos interactantes.


Referências


BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37ª ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BLANCO, R. Atenuação pragmática e problemas de intercompreensão: um estudo intercultural entre paulistanos e cordobeses. 2015. 195 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: . Acesso em:14 jan. 2018.

BRAVO, D. Tensión entre universalidad y relatividade em las teorías de la cortesía. In: BRAVO, D; BRIZ, A. Pragmática sociocultural: estudios sobre el discurso de cortesia en español. Barcelona: Ariel, 2004.

BRIZ, A. Cortesía verbal codificada y cortesía verbal interpretada en la conversación. In: BRAVO, D.; BRIZ, A. (Eds.). Pragmática sociocultural: estudios sobre el discurso de cortesía en español. Barcelona: Ariel, 2004.

BROWN, P.; LEVINSON, S. C. Politeness. Some universals in language use. Cambridge: Cambridge University Press, 1987[1978].

BROWN, R.; GILMAN, A. The pronouns of power and solidarity. In: _____. Style in language. Cambridge: MIT Press, 1960, p. 253-276.

COUTO, L. R.; KULIKOWSKIZ. M. El voseo argentino y el voseo chileno: diferencias sociolingüísticas y conversacionales a través de diálogos cinematográficos y textos en internet. In: COUTO, L. R.; SANTOS, C. R. (Orgs.). As formas de tratamento em português e em espanhol: variação e funções conversacionais. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2011, p. 497-531.

CULPEPER, Jonathan. Impoliteness: using language to cause offence. New York: Cambridge University Press, 2011.

CULPEPER, J. Impoliteness and entertainment in the television quiz show: the weakest link. Journal of Politeness Research, v. 1, p. 35-72, 2005.

CUNHA, Celso. Gramática do português contemporâneo. 2ª ed. Belo Horizonte: Bernardo Álvares S.A., 1971.

HAVERKATE, H. La cortesía verbal. Madri: Gredos, 1994.

KAUL DE MARLANGEON, S. Encuadre de aspectos teóricos-metodológicos de la descortesía verbal en español. In: MORALES, J. E.; VEGA, G. H. (Orgs.). Miradas multidisciplinares a los fenómenos de cortesia y desortesía en el mundo hispânico. Barranquilia, Estocolmo: Cadis, Programa Edice, 2012, p. 76-106.

KAUL DE MARLANGEON, S. Tipos de descortesía verbal y emociones en contextos de cultura hispanohablante. In: BRAVO, D. Pragmática sociocultural/sociocultural pragmatics. Revista Internacional sobre Lingüística del Español, Edice, 2017. Disponível em:

/www.degruyter.com/view/j/soprag.ahead-of-print/soprag-2017-0001/soprag-2017-0001.xml>. Acesso em: 21 nov. 2017.

MOREIRA, J. C. O vocativo e a interface sintaxe-pragmática no português brasileiro. 2013. 151 f. Tese de Doutorado em Estudos Linguísticos. Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

MOREIRA, J. C. O vocativo no português brasileiro: uma unidade à parte?. Estudos Linguísticos e Literários, n. 57, Salvador, p. 319-340, jul-dez./2017.

NASCIMENTO, A. F. Análise prosódica do vocativo na fala de criança: uma abordagem fonética. 2000. 75 f. Dissertação de Mestrado em Estudos Linguísticos. Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000.

PRETI, D. Papéis sociais e formas de tratamento em A ilustre casa de Ramires, de Eça de Queiroz. In: PRETI, Dino (Org.). Estudos de língua oral e escrita. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

RODRIGUES, N. Meu destino é pecar. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

SILVA, L. A. Cortesia e formas de tratamento. In: PRETI, D. Cortesia verbal. São Paulo: Humanitas, 2008, p. 157-191.

ZIMMERMANN, K. Construcción de la identidad y anticortesía verbal. Estudio de conversaciones entre jóvenes masculinos. In: BRAVO, Diana (Ed.). Estudios de la (des)cortesíaenespañol: categorias conceptuales y aplicaciones a corpora orales y escritos. Buenos Aires: Dunken, 2005, p. 245-271.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v20i1.4743

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973