O sertão-mundo de Guimarães Rosa

Maria Célia Leonel

Resumo


O artigo tem por objetivo examinar a rotulação da obra de Guimarães Rosa como regionalista e rediscutir a pertinência dessa caracterização, considerando que o grande sertão rosiano contém um complexo de elementos fundamentais que perpassam historicamente as relações humanas e sociais do país e, ao mesmo tempo, reflete sobre questões de caráter universal. Para tanto, analisamos como o termo ou noção de regionalismo, O sertão-mundo de Guimarães Rosa The world-sertão of Guimarães Rosa LÉGUA & MEIA : REVISTA D E LITERATURA E DIVERSIDADE CULTURAL , V. 7, NO°5, 2009 — 123 Maria Célia Leonel é graduada em Letras (Fundação Dom Aguirre ,1968), tem mestrado em Literatura Brasileira (USP,1976) e doutorado (USP, 1985). É livre-docente (1998) e professor titular (2007) da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, pesquisando, principalmente, o modernismo brasileiro. Publicou vários artigos, capítulos de livros, e organizou diversos livros de coletâneas de artigos. José Antônio Segatto é graduado em História (USP, 1978), com doutorado em História Econômica (USP, 1993) e Livre-Docência pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999). É professor Titular da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia do Desenvolvimento, atuando principalmente nos seguintes temas: democracia, cidadania, literatura, política, socialismo, revolução e classes sociais. Publicou diversos artigos, capítulos de livros, e organizou diversos livros de coletâneas de artigos. Recebido: 10/05/2009 Aprovado:11/06/2009 cunhada no século XIX, sobreviveu ao tempo e passou a qualificar autores e obras de diferentes locais e momentos, não distinguindo produções literárias de valor estético díspar.

Palavras-chave


Sertão; regionalismo; universalismo; Guimarães Rosa; relações sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRIGUCCI Júnior, D. O mundo misturado: romance e experiência em Guimarães Rosa. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 40, p. 7-29 , nov. 1994.

BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. 32 ed. São Paulo: Cultrix, 1995.

CANDIDO, A. A nova narrativa. In: _____. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1987. p. 199-215.

CANDIDO, A. Literatura e subdesenvolvimento. In: _____. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1987. p. 140-162.

CANDIDO, A. No grande sertão. In: _____. Textos de intervenção. São Paulo: Duas cidades/34, 2002. p. 190-192.

CANDIDO, A. O homem dos avessos. In: _____. Tese e antítese. 2.ed. São Paulo: Nacional, 1971. p. 119- 139.

CANDIDO, A. Sagarana. In: COUTINHO, E. (Org.). Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/ Brasília: INL, 1983. p. 243-247.

COUTINHO, A. O regionalismo na prosa de ficção. In:_____. (Org) A literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Sul Americana, 1955. v. 2, p. 145-151.

GALVÃO, W. N. Anotações à margem do regionalismo. Literatura e Sociedade, São Paulo, Departamento de Teoria literária e Literatura Comparada/FFLCH-USP, n. 5, p. 44-55, 2000.

SOUZA, G. de M. e. O tupi e o alaúde. São Paulo: Duas Cidades, 1979.

LEITE, L. C. M. Velha praga? Regionalismo literário brasileiro. In:

IZARRO, A. (Org). América latina:

palavra, literatura e cultura. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 1994, v. 2, p. 665-702.

ROSA, J. G. Grande sertão: veredas. 12. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/lm.v5i1.2025

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

A Revista Légua & Meia está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.