Uma leitura do mito de Narciso: as águas profundas de uma sanga gaúcha

Raquel Souza

Resumo


Tomando como base argumentativa algumas questões do gênero autobiográfico na perspectiva das teorias do imaginário, propostas pelo antropólogo Gilbert Durand, este ensaio busca realizar um estudo hermenêutico sobre dois poemas de Augusto Meyer. O tema que o circunda é o processo de reatualização do mito de Narciso presente na poesia modernista brasileira. Pretende-se observar os mecanismos de engorda e de emagrecimento relativos aos mitemas presentes nos poemas

Palavras-chave


Gênero autobiográfico, Poesia modernista, Poesia e imaginário, Mito de Narciso

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHAL, Tânia Franco. Quanto mais vaga, mais viva. In: MEYER, Augusto. Melhores poemas de Augusto Meyer. São Paulo: Global, 2002.

CHEVALIER&GHEERBRANT. Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Lexicon Editora, 2007.

DURAND, Gilbert. Campos do imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

LEJEUNE, Philippe. El pacto autobiográfico: veinticinco años después. In: Autobiografia em España: un balance. Madri: Visor Libros, 2001.

LEJEUNE, Philippe. Le pacte autobiographique. Paris: Seuil, 1975.

LURKER, Manfred. Dicionário de símbolos. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MEYER, Augusto. Poesias. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1957.

VERNANT, Jean-Pierre. A morte nos olhos: figuração do outro na Grécia antiga. Trad. Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/lm.v6i1.2127

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

A Revista Légua & Meia está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.