O SERTÃO DILACERADO: outras histórias de Deus e o Diabo na Terra do Sol

Pedro Paulo Gomes Pereira

Resumo


A busca deste texto será a de compreender como uma das mais importantes narrativas do cinema nacional – Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha (1963) – construiu o sertão, quais as imagens e as figuras utilizadas, e como esse sertão delineia e projeta o Brasil.


Palavras-chave


Deus e o Diabo na terra do Sol; Glauber Rocha; sertão;Brasil

Texto completo:

PDF

Referências


AHMAD, A. 2002. Linhagens do presente. São Paulo: Boitempo Editorial. ANDERSON, B. 1989. Nação e consciência nacional. São Paulo: Ática.

AMADO, J. 1995a. “Construindo mitos: a conquista do Oeste no Brasil e nos EUA”. In: PIMENTEL, S. V.; AMADO, J. (orgs.). Passando dos limites. Goiânia: Ed. UFG.

.__________1995b. “Sertão, nação”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 8, no 15.

ARRUDA, G. 2000. Cidade e sertões. Entre a história e a memória. Bauru, SP: Edusc.

AUERBACH, E. 1987. Mimesis. A representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva.

BALAKRISHNAN, C.; ANDERSON, B. (orgs.). 2000. Um mapa da questão nacional. Rio de Janeiro: Contraponto.

BAZIN, A. 1991. O cinema. Rio de Janeiro: Brasiliense.

BENJAMIN, W. 1980a. “A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução”. In: Os Pensadores. São Paulo: Abril.

. 1980b. “O narrador”. In: Os Pensadores. São Paulo: Abril.

. 1984. Origem do drama barroco alemão. São Paulo: Brasiliense.

BERNARDET, J. C. 1980. “A cidade, o campo”. In: Cinema brasileiro: estudos. Rio de Janeiro: Funarte.

(org.). 1991. Glauber Rocha. São Paulo: Paz e Terra.

BHABHA, H. K. 1990. “Dissemination: time, narrative, and margins of the modern nation”. In: Nation and narration. New York: Routledge.

. 1998. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

BUCK-MORSS, S. 2002. Dialética do olhar. Walter Benjamin e o projeto das passagens. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

BOLLE, W. 2004. grandesertão.br. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 43.

BUTLER, J. 1997. The psychic life of power: theories in subjection. Califórnia: Stanford University Press.

CANDIDO, A. 1976. Literatura e sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

CERTEAU, M. de. 1996. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes.

CHATTERJEE, P. 2000. “Comunidade imaginada por quem? ”. In: BALAKRISHINAN, G.; ANDERSON, B. (orgs.). Um mapa da questão nacional. Rio de Janeiro: Contraponto.

CLIFFORD, J. 1998. “Sobre a automodelagem etnográfica: Conrad e Malinowski”. In: A experiência etnográfica. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ.

CUNHA, E. da. 1985. Os sertões: campanha de Canudos. São Paulo: Brasiliense.

GATTI, J. 1995. Dialogism and syncretism in the films of Glauber Rocha. Tese de doutorado. New York: Universidade de New York.

GOMBRICH, E. H. 1988. Arte e Ilusão: um estudo da psicologia da representação pictórica. São Paulo: Martins Fontes.

HALL, S. 1997. Identidades culturais na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

; DU GAY, P. 1997. Questions of cultural identity. London: Sage.

HANSEN, J. A. 1986. Alegoria. Construção e interpretação da metáfora. São Paulo: Atual.

JAMESON, F. 1982. The political unconscious. Narrative as socially symbolic act. New York: Cornell University Press.

LIPPI DE OLIVEIRA, L. 1993. “Bandeirantes e pioneiros. As fronteiras no Brasil e nos Estados Unidos”.

Novos Estudos Cebrap, São Paulo: Brasileira de Ciências.

_______, 2000. Americanos. Representações da identidade nacional no Brasil e nos EUA. Belo Horizonte: Ed. UFMG, vol. 37.

MATOS, O. 1989. Os arcanos do inteiramente outro. A Escola de Frankfurt, a melancolia e a revolução.

São Paulo: Brasiliense.

PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Sertão e Narração: Guimarães Rosa, Glauber Rocha e seus desenredos. Soc. estado. 2008a, vol.23, n.1, pp. 51-87.

__________. O sertão dilacerado: outras histórias de Deus e o Diabo na terra do sol. Lua Nova. 2008b, n.74, pp. 11-34.

__________. Histoires déchirées. Vibrant, 2010a, v. 7, pp. 1-24.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/lm.v7i1.2161

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

A Revista Légua & Meia está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.