Disseminação em Dyonélio Machado: abrindo intertextualidades em seu acervo

Jonas Kunzler Moreira Dornelles, Pedro Theobald

Resumo


Autor proscrito na maior parte de sua vida, Dyonélio vem ganhando nas décadas recentes uma crescente recepção, que indicam novos acessos a sua obra. O artigo busca apresentar brevemente seu acervo e os principais textos produzidos a partir do conjunto de centenas de entrevistas, originais, fotos e correspondências reunidos lá. Em seguida, busca-se refletir a presença da intertextualidade e da ironia em algumas amostras do acervo, e da obra de Dyonélio, de maneira que nesta correlação entre literatura e os paratextos públicos e privados do acervo, possa-se sugerir um caminho de reconfiguração para a recepção e interpretação da obra do escritor gaúcho.


Palavras-chave


Dyonélio Machado; Acervos literários; Memória Literária; Literatura Brasileira.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Maria Helena; GRAWUNDER, Maria Zenilda (Orgs.). Dyonelio Machado. Porto Alegre: Unidade Editorial Porto Alegre, 1995. [Cadernos Porto e Vírgula].

BARBOSA, Maria Helena Saldanha. A paródia em: “O Louco do Cati”. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1994.

BARTHES, Roland. Ensaios críticos. Lisboa: Edições 70, 1977.

DORNELLES, Jonas Kunzler Moreira. A prisão da moralidade em O Louco do Cati. in: Revista Nau Literária, Vol. 13. n. 01. Porto Alegre: UFRGS, 2017.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor Mikhailovitch. Crime e Castigo. São Paulo: 34, 2001.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor Mikhailovitch. Os Demônios. São Paulo, 34, 2004.

FERNANDES, Claudia Denise Sanches. Os manuscritos de um pobre homem, de Dyonélio Machado, sob a visão da crítica genética. Porto Alegre: PUCRS, 2010

FISCHER, Luís Augusto. Literatura Gaúcha – História, Formação e Atualidade. Porto Alegre: Leitura XXI, 2004.

GENETTE, Gerard. Paratextos editoriais. Cotia: Ateliê editorial, 2009.

GRAWUNDER, Maria Zenilda. A instituição literária: Análise da legitimação da obra de Dyonelio Machado. Porto Alegre: IEL: EDIPUCRS, 1997.

JAUSS, Hans Robert. O prazer estético e as experiências fundamentais da poiesis, aisthesis e katharsis. In: LIMA, Luiz Costa (trad. e org.) A literatura e o leitor – Textos de estética da recepção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

KOHLRAUSCH, Regina. Os bastidores da candidatura à Academia Brasileira de Letras: a correspondência entre Zeferino Brazil e Dyonélio Machado.in: MELLO, Ana Maria Lisboa de; CORDEIRO, Verbena Maria Rocha (Org.). Literatura, memória e história: travessias literárias. Rio de Janeiro: 7 letras, 2012. p.175-187.

LAPERROUSAZ, Ernest-marie. Os Manuscritos do Mar Morto. São Paulo: Círculo do Livro S.A., 1992

MACIEL, Maria Esthers. As ironias da ordem - coleções, inventários, enciclopédias. Belo Horizontes: UFMG, 2010.

MACHADO, Dyonélio. O pensamento político de Dyonelio Machado. Coord. Escola do Legislativo “Deputado Romildo Bolzan”. Porto Alegre: Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, 2006.

MACHADO, Dyonélio. [carta], 1955 ago. 09, Porto Alegre [para] Rachel de Queiroz [manuscrito]. Registro 000040038. CDD 928.69. DYM COR 0330

MACHADO, Dyonélio. Um pobre homem. Siglaviva: Brasília, 2017

MACHADO, Dyonélio. Fada. São Paulo: Editora Moderna, 1982.

MACHADO, Dyonélio. Deuses econômicos. Porto Alegre: Editora Garatuja, 1976.

MACHADO, Dyonélio. Memórias de um pobre homem. Porto Alegre: IEL, 1990

MACHADO, Dyonélio. O Louco do Cati. Porto Alegre: Vertente Editora Ltda, 1979

MACHADO, Dyonélio. Desolação. São Paulo: Editora Moderna, 1981

MACHADO, Dyonélio. Os Ratos. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2004.

MACHADO, Dyonélio. Proscritos. Brasília: Siglaviva, 2014

MACHADO, Dyonélio. O cheiro da coisa viva. (orgs.), introd. e notas de Maria Zenilda Grawunder. Rio de Janeiro: Graphia, 1995.

MACHADO, Dyonélio. “Eduardo Guimarães: o poeta continua conosco”. Correio do Povo. Caderno de Sábado, ano 8, n. 592, v. 92, 1 dez. 1979. (Discurso de posse na Academia Rio-Grandense de Letras)

MALLARMÉ, Stephané. Prosas de Mallarmé. Porto Alegre: Editora Paraula, 1995

MAYA, Alcides. Ruínas Vivas. Porto Alegre: Movimento/UFSM, 2002

MOREYRA, Álvaro. As amargas, não… Porto Alegre: IEL, 1990

MOISÉS, Leila Perrone. Texto, Crítica, Escritura. São Paulo: Editora Ática, 1978.

RAABE, Camilo Mattar. Os proscritos de Dyonélio Machado. Porto Alegre: PUCRS, 2014

Aguiar, Vera Teixeira de; Raabe, Camilo Mattar; Piccini, Maurício; Colonetti, Milton. Com a palavra:Dyonélio Machado – Porto Alegre : EDIPUCRS, 2014

RAABE, Camilo Mattar. Criação literária por Dyonélio Machado: a gênese de Os Ratos. In: Revista da Graduação: publicações de TCC, Porto Alegre, v.4, n.2, Dados eletrônicos, 2011.

RAABE, Camilo Mattar. O alvorecer da Terceira vigília: romance inédito de Dyonelio Machado. In: Anais do IX Colóquio de Linguística, Literatura e Escrita Criativa. [Des]limiares da Linguagem, p.118-123. Porto Alegre: PUCRS, 2016

TILL, Rodrigues. Dyonélio Machado. O Homem - A obra. Porto Alegre, E.R.T. Edições, 1995




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/lm.v10i1.3659

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.