Os Sertões de Carandiru e a Matadeira ironia da História

Marcos Cezar Botelho de Souza

Resumo


Conforme o cineasta Walter Salles Junior, o cinema, ao narrar histórias de todos os tipos, subterraneamente, narra a nação, esta forma de narrativa infinita, como um role playing game autoral e coletivo. Este artigo, portanto, trata de duas guerras que sulcaram a identidade nacional em tempos e espaços distintos: o conflito travado em Canudos, em 1896-97, e a chacina do presídio do Carandiru levada à tela por Hector Babenco em filme de 2003, no qual o diretor retoma subterraneamente uma guerra no sertão de fins do século 19, estabelecendo uma (des)continuidade da crítica histórica com vistas ao devir da violência “cármica” nacional na contemporaneidade. No segundo movimento deste artigo, analisamos os desdobramentos de Os Sertões em chave contrapontual, partindo do documentário metaficcional A Matadeira (1994), do diretor gaúcho Jorge Furtado. O filme, autoirônico e assumidamente fake e antirrealista, propõe repensar o arquivo imagético da Guerra de Canudos mediado por um olhar paródico dos textos da “história oficial”.

Palavras-chave


Cultura brasileira; Modernismo; memória; cartas.

Texto completo:

PDF

Referências


DESBOIS, Laurent. A Odisseia do cinema brasileiro. Trad. Julia da Rosa Simões. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

CUNHA, Euclides. Os Sertões: campanha de Canudos. In: SANTIAGO, Silviano. Intérpretes do Brasil, vol.1. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.

DA-RIN, Silvio. Espelho partido: tradição e transformação do documentário. Rio de Janeiro: Azougue editorial, 2006.

DOMINGUES, Carla do Nascimento. A ficção e o documentário nos curtas-metragens de Jorge Furtado. (Capturado em: http://www.pantheon.ufrj.br/bitstream/11422/904/1/CDomingues. Pdf.).

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas, SP: Papirus, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. Segunda consideração intempestiva: da utilidade e desvantagem da história para a Vida. Trad. Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

SANTIAGO, Silviano. Intérpretes do Brasil/ coordenação e seleção de livros e prefácio, Silviano Santiago. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.

SONTAG, Susan. Diante da dor dos outros. Trad. Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

THOREAU, Henry D., Walden ou a vida nos bosques e A desobediência civil. Trad. Astrid Cabral. São Paulo: Global Editora, 1994.

VENTURA, Roberto. Introdução a 'Os Sertões'. In: SANTIAGO, Silviano (Coord. Sel. e Prefácio). Intérpretes do Brasil. 2 ed. vol.1. Rio de Janeiro: Nova Aguilar S. A., 2002. p.170-191.

VERÍSSIMO, José. Uma história dos Sertões e da companhia de Canudos. In: FACIOLI, Valentim, NASCIMENTO, José Leonardo do. (Orgs.). São Paulo: Nankin, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/lm.v9i1.4539

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

A Revista Légua & Meia está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.