A poética realista e o simulacro histórico de Mário Vargas Llosa em A guerra do fim do mundo

Leandro de Jesus da Silva

Resumo


O texto reflete sobre a construção do romance A guerra do fim do mundo, de Mário Vargas Llosa, a partir da relação que o enredo desse romance engendra com a crônica histórica da Guerra de Canudos, estabelecendo uma narrativa que se institui como simulacro da história oficial acerca do conflito.

Palavras-chave


Guerra de Canudos; Sertão; Conselheiro; Simulacro.

Texto completo:

PDF

Referências


AUERBACH, E. Mimesis: A representação da realidade na literatura ocidental. 3 ed. São Paulo: Perspectiva, 1994.

CHALHOUB Sidney. Machado de Assis, historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões. São Paulo: Editora Martin Claret, 2007;

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2ª ed. São Paulo: Ed. Centauro, 2013.

ISER, W. O fictício e o imaginário: perspectivas de uma antropologia literária. 2. ed. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

LE GOFF, J. O imaginário medieval. Lisboa: Editorial Estampa. Campinas, SP: EdUNICAMP ,1994

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas, SP: EdUNICAMP, 1990.

LEENHARDT, Jacques; PESAVENTO, Sandra. Jatahy. (Org). Discurso histórico e narrativa literária. Campinas: Unicamp, 1998.

LLOSA, Mario Vargas. A guerra do fim do mundo. Tradução Paulina Wacht e Ari Roitman. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.

PLATÃO. Livro X. In. A república. Tradução de Enrico Corvisieri. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1999. p. 321-352.

SETTI, Ricardo A. Conversas com Vargas Llosa. São Paulo: Brasiliense, 1986.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/lm.v9i1.4540

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Indexadores:

 Resultado de imagem para crossref