PERFIL VACINAL DOS TRABALHADORES DO SETOR SAÚDE DA BAHIA

Fernanda de Oliveira Souza, Tânia Maria de Araújo

Resumo


As doenças transmissíveis podem ser prevenidas pela ação de administração de vacinas específicas, produzidas a partir de agentes vivos. O objetivo deste estudo foi investigar a situação vacinal para as quatro vacinas garantidas pelo PNI, avaliando a prevalência de vacinação entre as categorias ocupacionais e a completude de esquema vacinal entre trabalhadores da atenção primária e média complexidade. Metodologia: Trata-se de um estudo de corte transversal, com participação de3.084 trabalhadores da saúde aleatoriamente selecionados de cinco municípios da Bahia. Estimou-se a prevalência de vacinação para cada imunobiológico do calendário vacinal do adulto. Resultados:Entre os trabalhadores do setor saúde, 79,2% referiram ter recebido a terceira dose para hepatite B, 16,7% de vacinação para febre amarela, 23,1%receberam a terceira dose da vacina contra difteria e tétano e 65,3% receberam vacinação recomendada para sarampo, caxumba e rubéola.Conclusão: Avaliar a situação vacinal de um adulto deve ser oportunidade de desenvolver ações de educação em saúde. Analisar a situação vacinal contribuiu para reflexão sobre as práticas de autocuidado e sua relação com a saúde.

 


Palavras-chave


Calendário de vacinação do adulto e do idoso; Trabalhadores da saúde; Vacinação

Texto completo:

PDF

Referências


Beserra EP, Araujo MFM de, Barroso MGT. Promoção da saúde em doenças transmissíveis: uma investigação entre adolescentes. Acta paul. Enferm 2006;19 (4): 402-07.

Silva Junior JB da. 40 anos do Programa Nacional de Imunizações: uma conquista da Saúde Pública brasileira. Epidemiol. Serv. Saúde [periódico na Internet]. 2013 Mar [citado 2006 Dez 27]; 22(1): 7-8. Disponível em: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742013000100001&lng=pt.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Portaria nº 1.498, de 19 de julho de 2013. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Assunção AA, Araújo TM, Ribeiro RBN, Oliveira SVS. Vacinação contra hepatite B e exposição ocupacional no setor saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais. Rev. SaúdePública 2012; 46(4): 665-73.

Garcia LP, Facchini LA. Vacinação contra a hepatite B entre trabalhadores da atenção básica à saúde. Cad Saude Publica 2008; 24(5):1130-40.

Souza FO, Freitas PSP, Araújo TM de, Gomes MR . Vacinação contra hepatite B e Anti-HBS entre trabalhadores da saúde. Cad. saúde colet 2015; 23(2): 172-9.

Pinheiro J, Zeitoune RCG. Hepatite B: conhecimento e medidas de biossegurança e a saúde do trabalhador de enfermagem. Esc. Anna Nery 2008; 12 (2): 258-64

Tomasi E, Facchini LA, Piccini RX, Thumé E, Silveira DS da, Siqueira FV et al. Perfil sócio-demográfico e epidemiológico dos trabalhadores da atenção básica à saúde nas regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad. SaúdePública 2008; 24 (supl.1):193-201.

Brasil. Departamento de Vigilância Epidemiológica, Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde. Plano de ação: campanha nacional de vacinação para eliminação da rubéola no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Garcia LP, Blank VLG, Blank N. Aderência a medidas de proteção individual contra a hepatite B entre cirurgiões-dentistas e auxiliares de consultório dentário. Rev. bras. Epidemiol 2007; 10(4):525-35.

Martins AMEB, Costa FM, Ferreira RC, Santos-Neto PE, Magalhães TA, Sá MAB et al. Fatores associados à imunização contra Hepatite B entre trabalhadores da Estratégia Saúde da Família. Rev. Bras. Enferm 2015; 68(1): 84-92.

Silva FJCP da, Santos PSF, Reis FP, Lima SO. Estado vacinal e conhecimento dos profissionais de saúde sobre hepatite B em um hospital público do nordeste brasileiro. Rev. bras. saúde ocup 2011; 36(124): 258-64.

Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Viral Hepatitis – Hepatite B Informations: vaccination of adults. Disponível em: http://www.cdc.gov/hepatitis/hbv/vaccadults.htm. Acesso em: 31 maio 2015.

Santos ED. Avaliação do impacto das estratégias e prevenção e controle da rubéola e da síndrome da rubéola congênita nos estados de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Norte, Goiás e Pará, 1992-2003. [Mestrado Dissertação- Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca]. Rio de Janeiro: Arouca; 2005.

Vieira JC, Carvalho MTB de, Checchia RL, Trombiere M, Flannery B. Survey of rubella knowledge and acceptability of rubella vaccination among Brazilian adults prior to mass vaccination. Rev Panam Salud Publica 2011; 30 (4): 335-41.

Francisco PMB, Senicato C, Donalisio MR, Barros MBA. Vacinação contra rubéola em mulheres em idade reprodutiva no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad. SaúdePública 2013; 29 (3): 579-88.

Oliveira VC, Guimarães EAA, Oliveira VJ de, Guimarães IA, Almeida CS de, Silva CLL da. Situação vacinal contra o tétano em trabalhadores da Empresa Municipal de Obras Públicas do Município de Divinópolis, Estado de Minas Gerais, Brasil, 2009. Epidemiol. Serv. Saúde 2012; 21 (3): 497-504.

Ciorlia LAS, Zanetta DMT. Hepatitis B in healthcare workers: prevalence, vaccination and relation to occupational factors. Braz J Infect Dis 2005; 9(5): 384-89.

Benavides FG, Benach J, Muntaner C, Delclos GL, Catot N, Amable M. Associations between temporary employment and occupational injury: what are the mechanisms? Occup Environ Med 2006; 63(6): 416-21.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v6i1.1088

Apontamentos

  • Não há apontamentos.