Aspectos clínicos e epidemiológicos da introdução do vírus Chikungunya em Sergipe

Carlos Jivago Santos de Jesus, Daiane Andrade Santos, Marco Aurélio de Oliveira Góes

Resumo


Introdução: A Febre do Chikungunya é uma enfermidade febril aguda emergente que acarreta alta morbidade. Objetivo: Este estudo objetiva descrever os aspectos clínicos e epidemiológicos da introdução do Vírus Chikungunya (CHIKV)
em Sergipe. Métodos: Trata-se de um estudo ecológico, com dados secundários do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) e do Laboratório Central de Sergipe (LACEN/SE), entre 2015-2017. Estudou-se variáveis sociodemográficas e clínicas dos casos confirmados de Chikungunya residentes no estado de Sergipe. Os dados foram tabulados pelo TABWIN e exportados para o Excel® 2016, para análise estatística utilizou-se o OpenEpi e teste qui-quadrado (p<0,05). Resultados: Demonstrou-se rápida expansão da enfermidade no território sergipano, atingindo nos 3 anos 82,7% dos municípios, com maior acometimento das microrregiões de saúde Grande Aracaju e Agreste Central. Dos 8806 casos confirmados verificou-se predominância em mulheres (60,79%), indivíduos de 20 a 59 anos (63,04%), pardos (27,46%), residentes em zona urbana (51,95%). Febre (83,8%), mialgia (77,9%) e artralgia (63,1%) estão entre os sintomas com maior frequência. Conclusão: O CHIKV apresenta grande potencial de disseminação no território e sua sintomatologia pode ser confundida com outros quadros infecciosos. Faz-se necessário o aprofundamento
do conhecimento sobre os diversos aspectos envolvidos no controle, diagnóstico e manejo clínico.


Palavras-chave


Epidemiologia; Infecções por Arbovírus; Vírus Chikungunya

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume 2. 1ª ed. atual. Brasília (DF); 2017. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/05/Guia-de-Vigilancia-em-Saude-2017-Volume-2.pdf. [2018 mar 03].

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Chikungunya: manejo clínico. Brasília (DF); 2017. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/maio/31/chikungunya_manejo_clinico_2017.pdf. [2018 mar 03]

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Preparação e resposta à introdução do vírus Chikungunya no Brasil. Brasília (DF); 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/preparacao_resposta_virus_chikungunya_brasil.pdf. [2018 mar 03].

Secretaria de Estado da Saúde. Núcleo Estratégico da Saúde. Informe epidemiológico nº44. Atualização da situação epidemiológica da Dengue, Chikungunya, Zika e dos casos de microcefalia em Sergipe. Sergipe; 2016. Disponível em: http://www.observatorio.se.gov.br/saude/images/Informe_Semanal_44_micro_chik_dengue_e_Zika_03.10.2016.pdf. [2018 mar 03].

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil em síntese / Sergipe: Panorama. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/se/panorama. [2018 mar 03].

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de Chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 52, 2016. Boletim epidemiológico 48(3). Brasília (DF); 2017. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/06/2017-002-Monitoramento-dos-casos-de-dengue--febre-de-chikungunya-e-febre-pelo-v--rus-Zika-ate-a-Semana-Epidemiologica-52--2016.pdf. [2018 mar 10]

Reyes EB, Avellaneda DN, Palomares LAA, Salazar MI. Chikungunya: Molecular Aspects, Clinical Outcomes and Pathogenesis. Rev Inves Clin. 2017; 69: 299-307. Disponível em: http://clinicalandtranslationalinvestigation.com/files/ric_2017_69_6_299-307.pdf . [2018 mar 10].

Nunes MRT, Faria NR, Vasconcelos JM, et al. Emergence and potential for spread of Chikungunya virus in Brazil. BMC. Med. 2015; 13 (1). Disponível em: https://bmcmedicine.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s12916-015-0348-x. [2018 mar 10].

Madariaga M, Ticona E, Resurrecion C. Chikungunya: bending over the Americas and the rest of the world. Braz J Infect Dis 2016; 20 ( 1 ): 91-98. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-86702016000100091&lng=en. [2018 mar 10].

Honório NA, Câmara DCP, Calvet GA, Brasil P. Chikungunya: uma arbovirose em estabelecimento e expansão no Brasil. Cad. Saúde Públ. 2015; 31(5): 906-908. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2015000500003&lng=en. [2018 mar 10].

Aguiar BS, Lorenz C, Virginio FSL, Chiaravalloti-Neto F. Potential Risks of Zika and Chikungunya Outbreaks in Brazil: a Modelling Study. International Journal of Infectious Diseases. 2018; 70: 20-29. Disponível em: http://www.ijidonline.com/article/S1201-9712(18)30043-2/pdf. [2018 mar 13].

Pham PN, Williams LT, Obot U, et al. Epidemiology of Chikungunya fever outbreak in Western Jamaica during July–December 2014. Research and Reports in Tropical Medicine 2017; 8:7–16.

Van Genderen FT, Krishnadath I, Sno R, Grunberg MG, Zijlmans W, Adhin MR. First Chikungunya Outbreak in Suriname; Clinical and Epidemiological Features. PLoS Negl Trop Dis. 2016; 10(4): e0004625.

Fuller TL, Calvet G, Genaro Estevam C, Rafael Angelo J, Abiodun GJ, Halai U-A, et al. Behavioral, climatic, and environmental risk factors for Zika and Chikungunya virus infections in Rio de Janeiro, Brazil, 2015-16. PLoS ONE 2017; 12(11): e0188002.

Weaver SC, Lecuit M. Chikungunya Virus and the Global Spread of a Mosquito-Borne Disease. N Engl J Med. 2015 26; 372(13): 1231-9.

Cunha MDP, Santos CAD, Neto DFL, Schanoski AS, Pour SZ, Passos SD, Souza MSF, Costa DD, Zanotto PMA. Outbreak of chikungunya virus in a vulnerable population of Sergipe, Brazil-A molecular and serological survey. J Clin Virol. 2017; 97: 44-49.

Brito CAA. Alert: Severe cases and deaths associated with Chikungunya in Brazil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2017; 50(5): 585-589. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822017000500585&lng=en. [2018 abr 01].

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de Chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 52, 2017. Boletim epidemiológico 49 (2). Brasília (DF); 2018. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/23/Boletim-2018-001-Dengue.pdf. [2018 mar 10].

Sá PKO, Nunes MM, Leite IR, Campelo MGLC, Leão CFR, Souza JR et al. Chikungunya virus infection with severe neurologic manifestations: report of four fatal cases. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2017 Mar; 50(2): 265-268. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822017000200265&lng=en. [2018 mar 28].

Pereira LP, Villas-Bôas R, Scott SSO, Nóbrega PR, Sobreira-Neto MA, Castro JDV et al . Encephalitis associated with the chikungunya epidemic outbreak in Brazil: report of 2 cases with neuroimaging findings. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2017 June; 50(3): 413-416. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822017000300413&lng=en . [2018 mar 28].




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.3335

Apontamentos

  • Não há apontamentos.