Importância do apoio familiar no período gravídico-gestacional sob a perspectiva de gestantes inseridas no PHPN

Samara Alves Avanzi, Carlos Alberto Dias, Leonardo Oliveira Leão e Silva, Marileny Boechat Frauches Brandão, Suely Maria Rodrigues

Resumo


O presente estudo tem por objetivo analisar a percepção de gestantes sobre a importância do apoio familiar no período gravídico-gestacional, tendo como referência as vivências daquelas cadastradas no Sistema de Informação do Pré Natal (SISPRENATAL). Trata-se de estudo observacional, descritivo, de corte transversal quantiqualitativo, com dados coletados em entrevistas domiciliares realizadas junto a 80 gestantes inseridas no Programa de Humanização no Pré Natal e Nascimento (PHPN) a partir de 2016, na cidade de Governador Valadares/MG. A maioria (62,6%), das gestantes possui idade entre 20 e 30 anos, é casada ou vive em união estável (73,7%), tendo a maior parte o ensino fundamental completo ou médio incompleto (42,4%), seguida pelo grupo que possui o ensino médio completo ou superior incompleto (36,3%). A maioria (83,8%) recebeu apoio familiar ao longo da gestação manifestando interesse em serem acompanhadas durante o parto (70,0%) preferencialmente pelo marido/convivente (48,4%) ou pessoa que possui vivência de parto como a mãe (17,2%). Há dependência entre receber apoio ou ser acompanhada às consultas realizadas na Estratégia de Saúde da Família (ESF) e desejar que um familiar esteja presente durante o parto. A maioria das entrevistadas possui percepção positiva sobre apoio recebido bem como valorizam positivamente o envolvimento familiar neste contexto.


Palavras-chave


Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento; Gestação; Família; Apoio familiar

Texto completo:

PDF

Referências


Osis MJMD. Paism um marco na abordagem da saúde reprodutiva no Brasil. Cad. Saúde Pública 1998; 14(1): 25-32. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v14s1/1337.pdf. [2018 mar 3].

Cianciarullo TI, Silva GTR, Cunha ICKO. Uma nova estratégia em foco: o programa de saúde da família identificando as suas características no cenário do SUS. São Paulo: Ícone; 2005.

Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento. Brasília; 2000. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/parto.pdf. [2018 mar 9].

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília; 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf. [2018 mar 12].

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília; 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pre natal_puerperio_atencao_humanizada.pdf. [2018 fev 15].

Maldonado MT, Nahoum JC, Dickstein J. Nós estamos grávidos. Rio de Janeiro: Block; 1990.

Marin AH, Donelli TMS, Rita de CSL, Cesar AP. Expectativas e sentimentos de mães solteiras sobre a experiência do parto. Aletheia 2009; (29): 57-72. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n29/n29a06.pdf. [2018 fev 20].

Gabardo RM, Junges JR, Selli L. Arranjos familiares e implicações a saúde na visão dos profissionais do Programa Saúde da Família, Rev. Saúde Públ. 2009; 43(1): 91-97. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43n1/6943.pdf. [2018 maio 28].

Campana ÁO. Metodologia da investigação científica aplicada à área biomédica-2. Investigações na área médica. J. bras. pneumol. 1999; 25(2): 84-93. Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jpneu/v25n2/v25n2a5.pdf. [2018 mar 28].

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2008.

Fonseca JJS. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC; 2002.

Martins HHTS. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educ. Pesqui. 2004; 30(2): 289-300. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v30n2/v30n2a07.pdf. [2018 mar 31].

Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas; 2007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Planejamento, Orçamento e Gestão. Cidades. Brasília; 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1. [2018 abril 10].

Freitas H, Janissek R, Moscarola J, Baulac Y. Pesquisa interativa e novas tecnologias para coleta e análise de dados usando o Sphinx. Canoas: Sphinx, 2002.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Dessen MA, Braz MP. Rede social de apoio durante transições familiares decorrentes do nascimento de filhos. Psic. Teor. Pesq. 2000; 16(3): 221-231. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v16n3/4809.pdf. [2018 jan 10].

Silva LJ, Silva LR. Mudanças na vida e no corpo: vivencias diante da gravidez na perspectiva afetiva dos pais. Esc. Anna Nery 2009; 13(2): 393-401. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v13n2/v13n2a22.pdf. [2018 jan 30].

Costa ASM. Argumentações em torno das famílias caleidoscópio como expressão da pluralidade familiarista moderna. Meritum 2012; 7(1): 429-468. Disponível em: http://www.fumec.br/revistas/meritum/article/view/1210. [2018 fev 5].

Cano DS, Gabarra LM, More CO, Crepaldi MA. As transições familiares do divórcio ao recasamento no contexto brasileiro. Psicol. Reflex. Crit. 2009; 22(2): 214-222. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v22n2/a07v22n2.pdf. [2018 jan 20].

Dessen MA, Ramos PCC. Crianças pré-escolares e suas concepções de família. Paidéia (Ribeirão Preto) 2010; 20(47): 345-357. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/paideia/v20n47/a07v20n47.pdf. [2018 jan 25]

Faleiros FTV, Trezza EMC, Carandina L. Aleitamento materno: fatores de influência na sua decisão e duração. Rev. Nutr. 2006; 19(5): 623-630. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rn/v19n5/a10v19n5.pdf. [2018 fev 25].

Perdomini FRI, Bonilha ALL. A participação do pai como acompanhante da mulher no parto. Texto contexto - enferm. 2001; 20(3): 445-52. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v20n3/04. [2018 abril 28].

Soifer R. Psicologia da gravidez, parto e puerpério. Porto Alegre: Artes Médicas; 1980.

Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, Aborto e Puerpério: Assistência humanizada à Mulher. Brasília; 2001. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf. [2018 fev 10].

Rezende J, Montenegro CAB. Obstetrícia Fundamental. Rio de Janeiro: Guamabara Koogan; 2013.

Damasceno VO, Romero E, Beltrão FB, Beresford H, Novaes JS. Imagem corporal e corpo ideal. R. bras. Ci. e Mov. 2006; 14(2): 81-94. Disponível em: https://bdtd.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/691/696. [2018 abril 20].

Presidência da República (BR). Lei nº 11.108, de 07 de abril de 2005. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Brasília; 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm. [2018 maio 8].




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.3739

Apontamentos

  • Não há apontamentos.