Estratégia de Tratamento Diretamente Observado (DOTS) para Tuberculose no Brasil: um estudo qualitativo

Bruno Russoni, Ana Angélica Martins da Trindade

Resumo


Nos últimos anos, a Terapia Supervisionada (TS) tornou-se protagonista no monitoramento e cuidado ao acometido pela Tuberculose na Atenção Primária a Saúde brasileira. Diante disso, procurou-se avaliar os benefícios, limitações, e atribuições dos grupos sociais envolvidos através de um estudo qualitativo e descritivo pautado numa revisão integrativa. A partir da consulta às plataformas MEDLINE, LILACS, e SCIELO, com os descritores DECS “Tuberculose”, “Brasil”, e
“Terapia Diretamente Observada”, selecionou-se estudos baseados na aplicação de critérios de inclusão e de exclusão, seguida da categorização dos achados. Como resultados, destacaram-se na literatura consultada: i) em termos de benefícios, a contribuição da TS à reabilitação das pessoas, devido a fatores, como: maior adesão ao tratamento, maior satisfação com o cuidado recebido, boa aplicabilidade para grupos vulneráveis, e redução de desfechos desfavoráveis; ii)quanto ao papel dos grupos sociais, o envolvimento dos
familiares, enfermeiros e agentes comunitários de saúde é indispensável; iii) em termos de limitações, indicaram-se o enfraquecimento na presença de disputas políticas, questões organizacionais e operacionais. No Brasil, a TS é, então, considerada bem sucedida na produção do cuidado voltado para a Tuberculose por propiciar o vínculo profissional-usuário, integrar a atenção individualizada com a coletiva, bem como favorecer ações de educação em saúde.


Palavras-chave


Terapia diretamente observada; Tuberculose; Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Global tuberculosis report 2017 [Internet]. Geneva, 2018. Disponível em: . [2018 jul 27]

Brasil. Ministério da Saúde. Situação Epidemiológica da Tuberculose nos Estados Partes e Associados do MERCOSUL 2009 a 2013 [Internet]. Brasília, 2015. Disponível em: . [2017 jun 14]

Brasil. Ministério da Saúde. Brasil Livre da Tuberculose: Plano Nacional pelo fim da tuberculose como problema de saúde pública [Internet]. Brasília, 2017. Disponível em:

tuberculose_plano_nacional.pdf>. [2018 jan 9]

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico 2017[Internet]. Brasília, 2017. Disponível em:

portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/

marco/24/2016-009-Tuberculose-001.pdf>. [2018 mar 15]

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico 2018 [Internet]. Brasília, 2018. Disponível em:

marco/26/2018-009.pdf>. [2018 jul 5]

San Pedro A, Gibson G, Santos JPC, Toledo LM, Sabroza PC, Oliveira RM. Tuberculose como marcador de iniquidades em um contexto de transformação socioespacial. Rev. Saúde Públ. 2017; 51:9: 1-10. Disponível em:

ssm_path=/media/assets/rsp/v51/pt_0034-8910-

rsp-S1518-87872017051006533.pdf>. [2018 mai 5]

Santos MLSG, Vendramini SHF, Gazetta CE, Oliveira SAC, Villa TCS. Pobreza: Caracterização socioeconômica da tuberculose. Rev. Latino-Am Enfermagem 2007; (15): 1-6. Disponível em: . [2017 mar 12]

Maciel MS, Mendes PD, Gomes AP, Siqueira-Batista R. A história da tuberculose no Brasil: os muitos tons (de cinza) da miséria. Rev Bras Clin Med. São Paulo, 2012 (3): 226-30 Disponível em: . [2017 abr 13]

Yin J, Yuan J, Hu Y, Wei X. Association between Directly Observed Therapy and Treatment Outcomes in Multidrug- Resistant Tuberculosis: A Systematic Review and Meta-Analysis. PLoS ONE 2016; 1-14. Disponível em:

pone.0150511.pdf>. [2018 abr 3]

Barreira B. Desafios para a eliminação da tuberculose no Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde 2018; 27(1): 1-4. Disponível em:

-01-e00100009.pdf>. [2018 mai 4]

Ibanês AS, Junior NC. Artigo de revisão: Panorama internacional e nacional da estratégia do tratamento diretamente supervisionado (DOTS) nas políticas de controle da tuberculose. ABCS Health Sci. 2013; 38(1): 25-32. Disponível em:

v38n1/a3661.pdf>. [2018 mar 30]

Brasil. Ministério da Saúde. Tratamento Diretamente Observado na Atenção Básica [Internet]. Protocolo de enfermagem. Brasília; 2011. Disponível em:

observado_tuberculose.pdf> . [2017 jun 22]

Cecílio HPM, Marcon SS. O tratamento diretamente observado da tuberculose na opinião de profissionais de saúde. Rev. enferm. UERJ 2016; 24(1): 1-6. Disponível em: . [2017 out 12]

Manual Revisão Bibliográfica Sistemática: a pesquisa baseada em evidências [Internet]. Belo Horizonte, Grupo Ănima Educação, 2014. Disponível em: < http://disciplinas.nucleoead.com.br/pdf/anima_tcc/gerais/manuais/manual_revisao.pdf>. [2017 mai 14]

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: Método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm 2008; 17(4): 758-64. Disponível em: [2017 mai 15]

Botelho LRR, Cunha CCA, Macedo M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade 2011; 5(11): 121-136. Disponível em:

download/1220/906/>. [2017 mai 15]

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein 2010; 8(1): 102-106. Disponível em: . [2017 mai 15]

Arakawa T, Magnabosco GT, Andrade RLP, Brunello MEF, Monroe AA, Ruffino-Netto A. Programa de controle da tuberculose no contexto municipal: avaliação de desempenho. Rev. Saúde Públ. 2017; 51(23): 1-7. Disponível em:

-rsp-S1518-87872016050006553.pdf>. [2017 nov 28]

Ferreira V, Brito C, Portela M, Escosteguy C, Lima S. Título: DOTS na atenção primária na cidade de Rio de Janeiro, Sudeste Brasil [Internet]. Rev. Saúde Públ. 2011; 45(1): 40-8. Disponível em: . [2017 out 6]

Soares ECC, Vollmer WM, Cavalcante SC, Pacheco AG, Saraceni V, Silva JS, et al. Tuberculosis control in a socially vulnerable area: a community intervention beyond DOT in a Brazilian favela. Int J Tuberc Lung Dis 2013; 17(12): 1581–1586. Disponível em:

content/iuatld/ijtld/2013/00000017/00000012/art00014#>.

ago 22]

Vieira AA, Ribeiro SA. Adesão ao tratamento da tuberculose após a instituição da estratégia de tratamento supervisionado no município de Carapicuíba, Grande São Paulo. J Bras Pneumol. 2011; 37(2): 223-231. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v37n2/v37n2a13.pdf>. [2017 out 21]

Garcia EM, Leal ML. Implementação do Programa Municipal de Controle da Tuberculose em Marataízes- ES, 2012. Epidemiol. Serv. Saúde 2015; 24(3): 559-564. Disponível em: . [2017 set 13]

Snyder, RE, Marlow, MA, Phuphanich, ME, Riley, LW e Maciel, ELN. Fatores de risco para desfecho diferencial após tratamento diretamente observado (DOT) de pacientes com e sem tuberculose em favelas: um estudo de coorte retrospectivo. BMC Infectious Diseases 2016; 16:494:

-7. Disponível em:

articles/PMC5029075/pdf/12879_2016_Article_1835.pdf>. [2017 nov 17]

Queiroz EM, Bertolozzi MR. Tuberculose: tratamento supervisionado nas Coordenadorias de Saúde Norte, Oeste e Leste do Município de São Paulo. Rev. esc. enferm. USP 2010; 44 (2): 453-461. Disponível em: . [2017 ago 30]

Queiroz EM, De-a-Torre-Ugarte-Guanilo MC, Ferreira KR, Bertolozzi MR. Tuberculose: limitações e pontos fortes do Tratamento Curto Diretamente Observado. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2012; 20 (2): 369-377. Disponível em: . [2017 dez 2]

Shuhama BV, Silva LMC, Andrade RLP, Palha PF, Hino P, Souza KMJ. Evaluation of the directly observed therapy for treating tuberculosis according to the dimensions of policy transfer. Rev. esc. enferm. USP 2017; 51/e03275. Disponível em: . [2017 dez 16]

Souza KMJ, Sá LD, Silva LMC, Palha PF. Atuação da Enfermagem na transferência da política do tratamento diretamente observado da tuberculose [Internet]. Rev.esc. enferm. USP 2014; 48(5): 874-82. Disponível em:

reeusp-48-05-874.pdf>. [2017 ago 26]

Reis-Santos B, Posses P.I, Macedo R.L, Golub E. J, Riley W.L, Maciel L.E. Directly observed therapy of tuberculosis in Brazil: associated determinants and impact on treatment outcome. Int J Tuberc Lung Dis 2015; 9(10): 1188-1193. Disponível em: . [2017 jun 14]

Sousa LO, Mitano F, Lima MCRAA, Sicsú AN, Silva LMC, Palha PF. Short-course therapy for tuberculosis: a discourse analysis. Rev. Bras. Enferm. 2016; 69(6): 1089-98. Disponível em: . [2017 nov 17]

Arakawa T, Arcêncio RA, Scatolin BE, Scatena LM, Ruffino-Netto A, Villa TCS. Acessibilidade ao tratamento de tuberculose: avaliação de desempenho de serviços de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2011; 19(4): 1-9. Disponível em: . [2017 dez 1]

Lavôr DCBS, Pinheiro JS, Gonçalves MJF. Evaluation of the implementation of the directly observed treatment strategy for tuberculosis in a large city. Rev. esc. enferm. USP 2016;50(2): 245-252. Disponível em: . [2017 out 2]

Oliveira RCC, Sá LD, Dias DCB, Pinheiro PGOD, Palha PF, Nogueira JA. Speeches of managers about the policy of the directly observed treatment for tuberculosis. Rev. Bras.Enferm. 2015; 68(6): 761-8. Disponível em:

pdf>. [2017 ago 5]

Silva DM, Nogueira JA, Sá LD, Wysocki AD, Scatena LM, Villa TCS. Avaliação de desempenho de Serviços da Atenção Básica para o tratamento da tuberculose. Rev. esc. enferm.USP 2014; 48(6): 1044-53. Disponível em:

. [2017 nov 25]

Steffen R, Menzies D, Oxlade O, Pinto M, de Castro AZ, Monteiro P, et al. Custos dos pacientes e custo-benefício do tratamento da tuberculose em instalações DOTS e não-DOTS no Rio de Janeiro, Brasil. PLoS ONE 2010; 5 (11): 1-7. Disponível em:

articles/PMC2984447/pdf/pone.0014014.pdf>. [2017 set 19]

Grecco R, Oliveira CBB, Silva LMC, Souza KMJ; Santos GP, Palha PF. Tratamento diretamente observado da tuberculose: processos de aprendizagem em uma instituição de ensino superior. Rev. enferm. UERJ 2014; 22(1): 77-82. Disponível em: . [2017 set 5]

Dias AAL, Oliveira DFM, Sobrinho ECR, Palha PF, Figueiredo RM. Tratamento da tuberculose na visão do usuário. Rev. Rene. 2013; 14(6): 1133-40. Disponível em: . [2017 dez 6]

Rocha GSS, Lima MG, Moreira JL, Ribeiro KC, Ceccato MGB, Carvalho WS, et al. Título: Conhecimento dos agentes comunitários de saúde sobre a tuberculose, suas medidas de controle e tratamento diretamente observado. Cad. Saúde Públ. 2015; 31(7): 1483-1496. Disponível em:

X2015000701483>. [2017 nov 4]

Yamamura M, Martinez TR, Popolinc MP, Rodrigues LBB, Freitas IM, Arcêncio A.R. Famílias e o tratamento diretamente observado da tuberculose: sentidos e perspectivas para produção do cuidado. Rev. Gaúcha Enferm. 2014; 35(2):.60-6. Disponível em: . [2017 ago 13]

Rios IC. Humanização: a Essência da Ação Técnica e Ética nas Práticas de Saúde. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2): 253–261. Disponível em: . [2018 jan 15]

Langdon EJ. A Doença como Experiência: A Construção da Doença e seu Desafio para a Prática Médica [Internet]. UFSC. Disponível em: . [2018 jun 23]

Maskud I. Estigma e discriminação: desafios da pesquisa e das políticas públicas na área da saúde. Physis 2014; 24 (1): 311-321. Disponível em: . [2018 abr 2]

Gomes MCPA, Pinheiro R. Acolhimento e vínculo: práticas de integralidade na gestão do cuidado em saúde em grandes centros urbanos. Interface (Botucatu) 2005; 9(17): 287-301. Disponível em: . [2018 mai 15]

Cruz MM. Concepção de saúde-doença e o cuidado em saúde [Internet]. In: Gondim R, Grabois V, Mendes Junior WV, organizadores. Qualificação dos Gestores do SUS. Rio de Janeiro: Fiocruz/ENSP/EAD; 2011. p. 21-33. Disponível em:

dados/txt_14423743.pdf>. [2018 abr 17]

Brasil. Ministério da Saúde. Clínica Ampliada e Compartilhada [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. Disponível em: . [2018 jun 7]

Lima CA, Oliveria APS, Macedo BF, Dias OV, Costa SM. Relação profissional-usuário de saúde da família: perspectiva da bioética contratualista. Rev. bioet. 2014; 22 (1): 152-60. Disponível em:. [2018 mai 9]




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4060

Apontamentos

  • Não há apontamentos.