Desinstitucionalização da saúde mental em um hospital psiquiátrico na Bahia, Brasil

Natália do Carmo Araújo, Tânia Maria de Araújo, Tamila do Carmo Araújo, Aline Macedo Carvalho Freitas

Resumo


Objetivo: Descrever as características dos moradores e do processo de desinstitucionalização de um hospital psiquiátrico da Bahia. Método: foi realizado um estudo descritivo com abordagem exploratória, conduzido em um hospital psiquiátrico da Bahia, Brasil. A coleta de dados foi feita através dos registros de prontuários clínicos entre o período de 2009 à 2015. Resultados: Em 2015 havia
114 moradores nas três unidades de internamentos, sendo esses na maioria do sexo feminino (29,8%), sem acompanhamento familiar (43,0%), com idade maior de 41 anos (39,2%) e com mais de 20 anos de acompanhamento hospitalar (46,8%), com ausência significativa de familiares e, ainda, maior quantitativo de internamentos na UPG (59,8%). Considerações: A redução do número de leitos e da oferta de serviços das internações hospitalares e os encaminhamentos para residências terapêuticas e familiares foram discussões presentes neste estudo. A baixa aceitação familiar, bem como a reinserção dos indivíduos na sociedade foram os principais desafios observados. A desinstitucionalização requer atuação/atenção e intervenções contínuas, a fim de que esse processo tenha suas propostas implementadas de modo efetivo com garantia de melhores condições de vida e saúde para a população com adoecimento mental no país.


Palavras-chave


Transtornos Mentais; Desinstitucionalização; Saúde Mental.

Texto completo:

PDF

Referências


Mângia EF. Psiquiatria institucional: do hospício à reforma psiquiátrica. Cad. saúde pública2008; 23(3); 711-13.

Silva EKB, Rosa LCS. Desinstitucionalização Psiquiátrica no Brasil: riscos de desresponsabilização do Estado? R. Katál 2014; 17(2); 252-60.

Brasil. Portaria no 366 de 19 de fevereiro de 2002. DOU, Seção 1 de 20 de fevereiro de 2002. p. 22. Disponível em: [2018 out 21].

OMS. The World Health Report 2001. Mental Health: New Understanding, New Hope Geneva: OMS; 2001. Disponível em: .[ 2018 out 22].

Bezerra CG. Moradores crônicos de hospital psiquiátrico: um desafio à desinstitucionalização.[Mestrado Dissertação] Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte, 2010.

Melo MCA, Albuquerque SGC, Luz JHSL, et al. Perfil clínico e psicossocial dos moradores em hospitais psiquiátricos no estado do Ceará, Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2015; 20(2): 343-52.

Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Residências Terapêuticas o que são, para que servem. Brasília;2004. Disponível em: . [2018 ago 20]

Fernandes AA. Velhice e Sociedade: demografia, família e políticas sociais em Portugal. Oeiras: Celta; 1997.

Monteiro C, Monteiro M, Terras M. Unidades de Psicogeriatria: uma Realidade Necessária. J Aging Inovation 2014; 2 (4); 27-42.

Brasil. Ministério da Saúde. Reforma Psiquiátrica e Política de Saúde Mental no Brasil. Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos Depois de Caracas. Brasília: OPAS; 2005.Disponível em: . [2018 ago 20].

Duarte SL, Garcia MLT. Reforma psiquiátrica: trajetória de redução dos leitos psiquiátricos no Brasil. Emancipação 2013; 1(13): 39-54.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4715

Apontamentos

  • Não há apontamentos.