Uso de Ferramentas Preditivas para Detecção de Epidemias de Dengue

Eliane Oliveira da Silva, Denise S C Oliveira Scripnic

Resumo


O estudo avaliou a evolução no tempo da dengue, entre 2009 e 2014, e o uso da temperatura média como indicador preditivo de epidemias, confrontando dois modelos de diagramas de controle. Realizou-se estudo retrospectivo descritivo de corte transversal entre os anos de 2009 e 2014, utilizando casos confirmados, notificados de dengue e temperatura média por semana epidemiológica, proposto pelo método Shewhart e Canal Endêmico. Foram notificados, 54.589 mil casos de dengue, e a incidência variou entre 23,2 e 802,2 casos por 100.000 habitantes. Ondas epidêmicas foram observadas, entre os anos de 2010 e 2012 e ao final de 2014, em períodos distintos. A temperatura média variou entre 25,7°C e 26,2°C e mostrou riscos de alarme em todos os anos. As Epidemias foram recorrentes e não apresentaram um padrão sazonal. O uso da temperatura média juntamente com casos notificados são indicadores preditivos úteis para o monitoramento da dengue.


Texto completo:

PDF

Referências


Terra MR, Lima CF, Pereira MGM, et al. Aedes Aegypti e as Arboviroses Emergentes no Brasil. Uningá Rev. 2017; 30(3):52-60.

Domalisio MRD, Zuben APB, Freitas ARR. Arboviroses emergentes no Brasil: desafios para a clínica e implicações para a saúde pública. Rev. saúde pública 2017; 51(30): 1-6.

Luna, EJA., and Silva JR., JB. Doenças transmissíveis, endemias, epidemias e pandemias. In: Fundação Oswaldo Cruz. A saúde no Brasil em 2030. Prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: população e perfil sanitário [online]. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, 2013. Vol. 2. pp. 123-176.Disponível em: . [2018 set 11].

Ferreira JPS, Silva MD, Cruz TC. Óbitos por Dengue no Recife. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Recife- PE: Faculdade Integrada de Pernambuco (Facipe); 2017. Disponível em: . [2018 set 09].

Lima RC, Moreira EBM, Nóbrega RS. A influência climática sobre a epidemia dengue na cidade do Recife por Sistema de Informações Geográficas. Revista Brasileira de Geografia Física 2016; 9(2): 384-398.

Santos AM, Silva FM, Caldas AJM, Correia RGCF. Temporal relationship between rainfall, temperature and occurrence of dengue cases in São Luís, Maranhão, Brazil. Ciênc. saúde coletiva 2016; 21(2): 64-646.

Moreira EBBM, Nóbrega RS, Lima MC. A influência climática sobre a epidemia dengue na cidade do Recife por Sistema de Informações Geográficas. Revista Brasileira de Geografia Física 2016; 9(2): 384-398.

Viana, Dione Viero and Ignotti, Eliane. A ocorrência da dengue e variações meteorológicas no Brasil: revisão sistemática. Rev. bras. epidemiol. 2013; 16(2): 240-256.

Bowman LR, Tejeda GS, Coelho GE, Sulaiman LH, et al. Alarm Variables for Dengue Outbreaks: A Multi-Centre Study in Asia and Latin America. [Internet]. EUA: PLoS ONE 2016; 1-23. Disponível em: . [2017 nov 26].

Recife. Governo Municipal. Secretaria de Saúde do Recife.Plano Municipal de Saúde 2014 - 2017. Secretaria de Saúde do Recife; 2014. Disponível em: . [2017 nov 27].

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dados populacionais. Rio de Janeiro: IBGE, 2004. Disponível em:. [2017 nov 26].

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dados populacionais.Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: . [2017 nov 26].

Brasil. Instituto Nacional de Meteorologia. Estação do Ano. Brasília: Instituto Nacional de Meteorologia, 2017. Disponível em: . [2017 nov 02].

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. 160 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos), ISBN 978- 85-334-1602-4. Disponível: . [2017 nov 04].

World Health Organization. Operational guide: Early Warning and Response System (EWARS) for dengue outbreaks. Cataloguing-in-Publication World Health Organization. Geneva: WHO; 2017. Disponível: . [2017 nov 04].

Filho EAH. Fatores de instalação, permanência e proliferação da dengue no Recife-PE: uma abordagem sociológica. Universidade Federal de Pernambuco.Disponível em: . [2017 out 14].

Costa EAPA, Santos EMM, Correia JC, Ribeiro CM de. Impacto de pequenas variações de temperatura e umidade na atividade reprodutiva e sobrevivência de Aedes aegypti (Diptera, Culicidae). Rev. Bras. entomol. 2010; 54(3): 488-493.

Alexandrino FIG. Ilhas de calor e casos de dengue na área urbana de Taubaté-SP. Guaratinguetá, 2017. 74 f: il. Bibliografia: f. 61-68. Disponível em: . [2018 jan 12].

Zeidler JD, Acosta PO, Barrêto PP, Cordeiro Jda D. Den- gue virus in Aedes aegypti larvae and infestation dynamics in Roraima. Rev. saúde pública 2008; 42(6): 986-991.

Codeço CT, Honório NA, Ríos-Velásquez CM, Santos MCA, Mattos IV, Luz SB, Reis IC, Cunha GB, Rosa-Frei- tas MG, Tsouris P, Castro MG, Hayd NRL, Luitgards-Moura JF.Seasonal dynamics of Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) in the northernmost state of Brazil: a likely port-of-entry for dengue virus 4. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 2009; 104(4): 614-620.

Badurdeen S, Valladares DB, Farrar J, et al. Sharing expe- riences:towards an evidence based model of dengue surveil- lance and outbreak response in Latin America and Asia. BMC Public Health. 2013; 13(607).




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4730

Apontamentos

  • Não há apontamentos.