FLORA DA BAHIA: LEGUMINOSAE – MACROPTILIUM (PAPILIONOIDEAE: PHASEOLEAE)

Carolina Lima Ribeiro

Resumo


Leguminosae é a terceira maior família de Angiospermas, possuindo mais de 19.500 espécies e 770 gêneros, com uma ampla distribuição geográfica, ocorrendo em todos os continentes com exceção da Antártica (Schrire et al. 2005; Lewis et al. 2005, 2013; LPWG 2013). Papilionoideae é a mais diversa das seis subfamílias de Leguminosae, compreendendo cerca de 14.000 espécies, 503 gêneros e 29 tribos (Lewis et al. 2005; Queiroz et al. 2015; LPWG 2017).
Dentre as tribos de Papilionoideae, Phaseoleae possui o maior número de gêneros e está distribuída principalmente nas regiões tropicais e subtropicais (Lackey 1981). A subtribo Phaseolinae compreende 27 gêneros e cerca de 340 espécies, com as seguintes características morfológicas: hábito volúvel, folhas trifolioladas, estilete barbado e sementes com epihilo (Lackey 1981; Lavin & Delgado-Salinas 1990; Delgado-Salinas et al. 2011).
Macroptilium (Benth.) Urb. é um gênero da subtribo Phaseolinae, monofilético (Espert et al. 2007) composto por 20 espécies distribuídas apenas na América, das quais 12 ocorrem no Brasil (Moura 2010; Delgado-Salinas et al. 2011). O gênero possui grande importância econômica e suas espécies são utilizadas como plantas forrageiras e na recuperação de áreas degradadas por sua eficiência na fixação de nitrogênio (Freitas et al. 2011).
Algumas revisões taxonômicas do gênero foram feitas por Beyra & Reyes (2005) em Cuba, Drewes (1995) na Argentina e Barbosa-Fevereiro (1987) no Brasil. Entretanto, muitos espécimes depositados nos herbários não condizem com nenhuma das espécies, de fato, descritas até então. Considerando a diversidade de espécie de Macroptilium na Bahia, é de extrema relevância a revisão do gênero no estado para uma delimitação morfológica das espécies e compreensão da sua taxonomia. Desta forma, esse trabalho teve como objetivo realizar um estudo taxonômico do gênero Macroptilium na Bahia, contribuindo para o conhecimento da diversidade botânica do Estado.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2170

Apontamentos

  • Não há apontamentos.