DETECÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE ENTEROPARASITOS EM ANIMAIS SILVESTRES DO ESTADO DA BAHIA

Ellen Monteiro Ribeiro Santos

Resumo


O desenvolvimento do capitalismo desencadeou rápidos processos de urbanização, afetando assim de forma drástica o meio ambiente ocasionando uma perda progressiva da biodiversidade em consequência da fragmentação do habitat e do desequilíbrio ecológico. Essas alterações são responsáveis pela migração de algumas espécies selvagens para o perímetro periurbano (MACHENSTEDT, 2015), favorecendo as interações da fauna silvestre com animais domésticos e humanos, aumentando assim a probabilidade de transmissão e disseminação de doenças zoonóticas.
A prevalência de parasitos intestinais pode variar de acordo com fatores demográficos, geográficos, climáticos, comportamentais e populacionais do hospedeiro. A natureza da infecção nos animais, possivelmente está interligada ao tipo de nicho ecológico dentro do seu habitat natural, possibilitando assim atuarem como hospedeiros intermediários, paratênicos ou definitivos. (RUAS, 2008)
O estudo das zoonozes permite avaliar o potencial de animais selvagens como propagadores de doenças infecciosas em humanos e constatar as alterações da dinâmica dentro das populações silvestres em decorrência da prevalência dos parasitos (THOMPSON,2009).


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2175

Apontamentos

  • Não há apontamentos.