FATORES DE VIRULÊNCIADE LINHAGENS DE Escherichia coli ISOLADAS DE DEJETOS RESIDENCIAIS

Gisele Aparecida Andrade da Sé

Resumo


Os dejetos residenciais são compostos por coliformes fecais. Este grupo é constituído
por bactérias do gênero Citrobacter, Escherichia e Klebsiella. São bacilos aeróbicos ou
anaeróbios facultativos, Gram negativos, não formadores de esporos, oxidase-negativos,
que fermentam lactose com produção de ácido, gás a 35,0 ± 0.5°C em 24-48 horas.
(DE MELO, 2006)
A contaminação da água por coliformes fecais possibilita a ocorrência das Doenças
Transmitidas por Água e Alimentos (DTAs); que têm como principais sintomas a
diarreia, mal-estar geral, dor abdominal, náusea, vômito e febre; podendo em alguns
casos ocorrer desidratação. Os agentes causadores da DTA bacteriana são o Bacillus
cereus, Clostridium perfringens, Salmonella, Shigella, Staphylococcus aureus,
Escherichia coli patogênica e outras. (COVISA, 2011)
A E. coli trata-se de bacilo, Gram negativo, anaeróbio facultativo, com cepas
saprofíticas e patogênicas. As cepas patogênicas possuem diferentes fatores de
virulência, como proteínas de adesão, de invasão e proteínas tóxicas que irão variar o
espectro de manifestações clínicas. Assim, a E. coli patogênica pode ser classificada em
enteropatogênica (EPEC), enterohemorrágica (EHEC), enterotoxigênica (ETEC),
enteroagregativa (EAEC), enteroinvasivas (EIEC) e que aderem difusamente (DAEC).
A EPEC apresenta como fatores de virulência: A) Fímbria BFP (bundle-formingpili),
responsável pela aderência à célula epitelial e formação de micro colônias, sendo
oriunda de um grande plasmídio EAF (EPEC AdherenceFactor). B) Proteína intimina,
codificada pelo gene eae. C) Aparelho de secreção do tipo III.Os genes eae e o esp
estão localizados na região LEE (LocusofEnterocyteEffacement).
Na ETECos fatores de virulência são enterotoxinas termolábeis LT I e LT II –
codificada pelos genes eltI e eltII; e as termoestáveis STa e STb – codificadas pelos
genes stlA e stlB, ambos os genes são localizados em plasmídeos. Há também os
Fatores de Colonização Antigênicos (CFA I a CFA IV).
As EHEC têm como fator principal de virulência a toxina Shiga (Stx) ou toxina “Shigalike”
(SLT), denominada dessa forma devido à similaridade com a toxina da Shigella
dysenteriae.
Sobre os fatores de virulência das EAEC, encontramos a fímbrias de aderência
agregativa (AAFs); protease mucolitica – PIC (proteininvolved in intestinal
colonization); Shigella enterotoxin1 (SHEt1); enterotoxinas EAST-1, similar à STa da
ETEC; além da toxina PET (Plasmid-encodedtoxin), responsável por alterações no
citoesqueleto celular.
A EIEC também possui o sistema de secreção tipo III, serina-protease (SepA), sistema
de aquisição de ferro e outras proteases.
A DAEC possui uma adesina chamada F1845, codificada por DNA de plasmídeos ou de
cromossomos.
Devido ao grande potencial de contaminação da água por dejetos residenciais, que
podem levar ao surgimento das DTAs e sendo a Escherichia coli um dos agentes
etiológicos dessa morbidade; justifica-se um estudo sobre os diferentes fatores de
virulência dos diversos sorotipos desse micro-organismo. Para melhor entender essa
patologia de alta incidência e seus diferentes espectros sintomatológicos.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2177

Apontamentos

  • Não há apontamentos.