DETECÇÃO MOLECULAR DE TRYPANOSOMA CRUZI EM ÓRGÃOS DE MAMÍFEROS SILVESTRES DA FAUNA DA MATA ATLÂNTICA – BAHIA

Taise Cristina Santa Bárbara Queiroz

Resumo


O Trypanosoma cruzi é conhecido mundialmente por ser o agente etiológico da Doença de Chagas, sendo endêmica no México e nas Américas Central e do Sul (Machado et al., 2012). Na América, a incidência de tripanossomíase é aproximadamente 41.200 casos por ano, e em média o parasito causa 12.500 mortes a cada ano (Ramírez et al., 2012). O Trypanosoma tem ampla distribuição podendo infectar quase todos os tecidos de hospedeiros, pertencentes a oito ordens de mamíferos (Rocha et al., 2013). A Mata Atlântica é um dos biomas com a maior riqueza de mamíferos (De Carvalho & De Oliveira, 2015).
É importante o levantamento de informações sobre os potenciais reservatórios de T. cruzi, e assim, contribuir para estabelecimento de padrões adequados de vigilância epidemiológica. Ademais, alguns estudos mostram que a reação em cadeia da polimerase (PCR) é melhor técnica para detectar T. cruzi no sangue de humano e de cão (Miyamoto et al., 2006), sendo que os ensaios de PCR de minicírculos de kDNA são de alta sensibilidade (Ortiz et al., 2012). Dessa forma, o objetivo do trabalho foi avaliar a presença e a frequência de Trypanosoma cruzi em mamíferos silvestres provenientes da Mata Atlântica, Bahia, utilizando a técnica de PCR-kDNA no diagnóstico molecular do protozoário.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2226

Apontamentos

  • Não há apontamentos.