ALTERAÇÃO NA RUGOSIDADE SUPERFICIAL DOS CIMENTOS DE IONÔMERO DE VIDRO COM O USO DE DIFERENTES SISTEMAS DE POLIMENTO

Nicoly Guimarães Oliveira

Resumo


O cimento de ionômero de vidro (CIV) foi desenvolvido por Wilson e Kent no final de 1960 e disponibilizado no mercado no final da década de 70 (FOOK et al., 2008; SILVA et al., 2010; RODRIGUES, 2014). Com o crescente uso e evolução deste material, no mercado odontológico atual estão disponíveis os cimentos convencionais, modificados por resina e os reforçados por metais (BACCHI et al., 2013).
Sucessivas modificações têm sido feitas com o objetivo de melhorar as propriedades físico-mecânicas desses cimentos, reduzindo assim, suas desvantagens. Entretanto, dentre as limitações do CIV é possível citar a baixa resistência à tração, desgaste e fratura, durabilidade limitada, alta solubilidade inicial, estética relativa, devido ao monocromatismo, tempo de presa prolongado e sensibilidade à umidade (FOOK et al., 2008; AZEVEDO et al.; SILVA et al, 2010; WANDERLEY et al, 2011; BACCHI et al, 2013, RODRIGUES, 2014).
Os cimentos de ionômero de vidro são indicados como base ou forramento de restaurações, selantes de cicatrículas e fissuras, em restaurações e para cimentação de peças protéticas (NAVARRO & PASCOTTO, 1998; RODRIGUES, 2014). Com o uso cada vez mais frequente desses materiais como restaurações definitivas e estéticas, surge a necessidade de se estudar sistemas de acabamento e polimento que possam promover uma melhor lisura, reduzindo assim, a sua rugosidade superficial e diminuindo o risco de pigmentação (SASAKI et al., 2000; SCHEFFEL et al., 2012).
A rugosidade superficial dos cimentos de ionômero de vidro pode reduzir a longevidade clínica da restauração, devido à possibilidade de maior acúmulo de bactérias, levando a recidivas de lesões de cárie, irritação tecidual e problemas periodontais (SASAKI et al., 2000;). Além disso, podem gerar alteração de cor e prejuízo estético para a restauração (SCHEFFEL et al., 2012). A presença dessa rugosidade pode ser devido à fatores como, presença de bolhas durante a manipulação, quantidade de partículas inorgânicas presentes, proporção utilizada e características da matriz do cimento de ionômero de vidro (ZANCOPÉ et al., 2009; SILVA et al., 2014).
Diante disto, o objetivo do presente trabalho foi analisar a rugosidade superficial de quatro cimentos de ionômero de vidro, utilizando diferentes sistemas de polimento.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2315

Apontamentos

  • Não há apontamentos.