DO GIRINO À VOCALIZAÇÃO: ANUROS DA CAATINGA E MATA ATLÂNTICA

Felipe Pereira Alcântara

Resumo


O girino é o estágio larval e não reprodutivo no ciclo de vida bifásico dos anuros (MCDIARMID & ALTIG, 1999). Girinos são geralmente considerados herbívoros especializados em filtração (DUELLMAN & TRUEB, 1986) que ingerem material planctônico da coluna d’água, obtendo matéria orgânica a partir de detritos encontrados no ambiente; após a metamorfose esses organismos utilizam principalmente a dieta insetívora. Esta modificação do hábito alimentar se traduz numa grande alteração da morfologia oral dos girinos; devido a essas particularidades morfológicas, os girinos podem explorar recursos que não estão disponíveis aos adultos (DUELLMAN & TRUEB, 1986; MCDIARMID & ALTIG, 1999; POUGH, 2008). Os girinos podem ser classificados também como onívoros ou detritívoros oportunistas, e alguns também podem ser canibais oportunistas (podendo se alimentar dos ovos da própria espécie) ou necrófagos (SUMMERS & AMOS, 1997). Mas ainda não se sabe plenamente sobre quão sortida pode ser a dieta dos girinos.
De maneira geral, os itens alimentares encontrados no trato digestivo dos girinos são algas, protozoários, nematódeos, rotíferos, artrópodes, entre outros. A maioria dos girinos são bentônicos e apresentam a cavidade bucal posicionada na região ventral, se alimentando de perifíton, detritos e folhas de plantas aquáticas (SALTHE & MECHAM, 1974). De modo que, o conhecimento da dieta das larvas dos anuros é um fator importante para a compreensão da ecologia destes organismos (KUPFERBERG, 1997a).
Este trabalho intenta dar continuidade a um estudo sobre a dieta das larvas dos anfíbios anuros, com a pretensão de estudar a variação ontogenética na dieta dos girinos de Bokermannohyla oxente, (Anura: Hylidae), ao longo de seu desenvolvimento, uma espécie endêmica da Chapada Diamantina, estado da Bahia, Brasil; cruzando resultados e informações de um projeto que descreve a morfologia oral e suas estruturas, também em girinos em diferentes estágios de desenvolvimento. Pretende-se, assim, verificar, a possível variação da dieta em indivíduos da espécie.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2357

Apontamentos

  • Não há apontamentos.