CAMPO DE ÁCIDO: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO DAS FUNÇÕES ÁCIDO E BASE

Ionara Aquino Rios

Resumo


Entre os desafios presentes na docência, acredito ser o maior deles, o de contribuir para a aprendizagem, quando o desejo do educador é favorecer a que seus estudantes adquiram um conhecimento significativo tenham uma compreensão mais próxima dos fenômenos que acontecem ao seu redor.
De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN/1999) e enquanto componente curricular do ensino básico, a Química deve oferecer ao aluno a possibilidade de compreender os fenômenos abordados bem como de realizar sua avaliação, considerando o que apresenta a tradição cultural e a mídia, tornando-o cidadãos capacitados a refletir, construir opiniões e atuar no meio em que vive.
A Educação Química é compreendida como uma área da Química, embora se distinga das demais áreas desta ciência (química orgânica, físico-química etc.) não só pelo seu objeto de estudo e de investigação, mas também pelo pouco tempo de constituição como área (PCN,1999).
No que se refere ao ensino de ciências, uma ferramenta que vem auxiliando os professores a transformar a sala de aula em um local mais dinâmico e participativo, sobretudo no ensino de Química, é a experimentação. Contudo, outras ferramentas didáticas também podem dar esse suporte ao professor, que insatisfeito com a metodologia tradicional de ensino busca formas para envolver os alunos na aprendizagem da ciência supracitada. Podemos citar o teatro, a música, a modelagem, os jogos, entre outros. Segundo Cunha (2012), os jogos didáticos vêm sendo utilizados para direcionar o ensino de conceitos, pois o fato de possuir regras que equilibram o lúdico e a função educativa, os jogos favorecem ao aprendizado do conteúdo e contribuem para a formação do sujeito. Associado a isso, o uso de jogos permite a vivencia de valores morais importantes para a formação do educando, tais como a cooperação, a realização de trabalhos em grupo, o saber perder e ganhar na realização das tarefas da vida (BROTTO, 2001).
Segundo Soares (2012) os desafios e obstáculos que os jogos apresentam, despertam no aluno a curiosidade e o interesse, podendo assim ser utilizado em sala de aula com a finalidade de estimular a busca do conhecimento. Neste contexto, foi elaborado e aplicado em aula de Química de alunas da segunda serie de uma escola pública da cidade de Feira de Santana, o jogo “Campo de Ácido”, utilizando antocianinas, pigmentos que podem ser usados como indicadores naturais de ácido e
base, visando contribuir de forma lúdica e motivadora para aprendizagem do tema
acidez basicidade.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2466

Apontamentos

  • Não há apontamentos.