Desenvolvimento de um Motor Gráfico de Apoio a Ambientes Lúdicos Educacionais

João Gabriel Lima Moraes

Resumo


A interatividade permitida por meio de jogos digitais, e o ambiente lúdico
proporcionado pelos mesmos, colabora para a assimilação de conteúdos didáticos em geral.
Jogos eletrônicos de sucesso proporcionam uma experiência imersiva de níveis variados,
permitindo ao jogador sentir-se parte do universo fictício proposto pelo mesmo.
Interatividade e imersão são características importantes que podem ser bem
exploradas em jogos educativos, tanto à nível de abstração quanto no ensino e na
aprendizagem de assuntos diversos. Como resultado, tem-se atualmente no uso de jogos
eletrônicos uma ferramenta viável e inovadora para a educação escolar em si (Lewis e
Jacobson, 2002).
Considerando a produção de jogos digitais, um motor de jogos é uma ferramenta que
permite ao desenvolvedor agregar funções básicas para o funcionamento de um jogo, o que
varia desde o gerenciamento de periféricos de entrada e saída até o som e a renderização de
modelos gráficos (Ward, 2008). Motores de jogo são amplamente difundidos na indústria de
jogos eletrônicos, apesar dos mesmos limitarem as possibilidades de desenvolvimento e
portabilidade do jogo em si. Questões de desempenho também devem ser consideradas, uma
vez que motores de jogos 3D costumam exigir um bom hardware do usuário para que se
possa ter uma jogabilidade “agradável” durante uma partida.
Motores de jogo podem ser divididos em duas partes: motor físico e motor gráfico. O
motor gráfico é o colar de diamantes dos jogos eletrônicos. Ele toma como base conceitos
matemáticos baseados em vetores e transformações geométricas, no intuito de representar e
de permitir a interação de diferentes formas complexas de um jogo em diferentes pontos e
dimensões na tela. Em outras palavras, ele incorpora o complexo código necessário para
identificar e renderizar a perspectiva do jogador de um modelo de ambiente. O motor gráfico
é uma caixa preta, e não pode ser aberta para quaisquer modificações do usuário (Lewis e
Jacobson, 2008).
O projeto propôs a criação de um motor gráfico baseado na Interface de Programação
de Aplicações(API) OpenGL(Bensted, 2009), tomando como ponto de partida o estudo de
métodos gráficos para renderização e rasterização de imagens e modelos 3D, bem como o
manuseio dessas estruturas com o intuito de montar um jogo da categoria proposta.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2467

Apontamentos

  • Não há apontamentos.