FAMÍLIA DE PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME: AVALIAÇÃO DA FUNCIONALIDADE

Fernanda da Silva Passos

Resumo


A família é um sistema social composto por elementos inter-relacionados e interligados que vivem em constante interação entre si e o ambiente desempenhando papeis importantes na sociedade como as relacionadas à afetividade, a educativa, a de socialização e a reprodutiva. A função afetiva é a grande responsável pela qualidade do ambiente familiar, definindo as atitudes da família e as consequências sobre sua funcionalidade (Andrade; Martins, 2011).
Desse modo, quando ocorre alguma disfunção ou alteração do equilíbrio na funcionalidade da família, a exemplo da doença crônica, identificam-se modificações na sua dinâmica, estrutura e consequente comportamento. Em decorrência das diferenças entre as famílias e suas especificidades, a adaptação diante do adoecimento crônico obedece a padrões distintos (Santos et al., 2012).
Assim, quando um membro da família é diagnosticado com uma doença crônica, essa noticia, muitas vezes produz grande tensão ou ansiedade em todos os seus membros que usualmente reage positiva ou negativamente (Kaplan et al., 2014).
Portanto ao buscar reconhecer que a doença crônica, é permeada por alterações cotidianas, que levam ao comprometimento das relações familiares, identificando assim como o sujeito avalia os cuidados recebidos por parte dos membros familiares, esta pesquisa teve como objetivo avaliar a funcionalidade da família de pessoas com doença falciforme.
MATERIAL E MÉTODOS OU METODOLOGIA
Trata-se de um estudo transversal e descritivo, realizado em Feira de Santana e Salvador. Os dados foram coletados através de dois instrumentos de pesquisa, o quantitativo, Apgar da Família, e o qualitativo, entrevista semiestruturada no período de março a abril de 2017. Os dados foram analisados através do programa Statistical Package for Social Sciences versão 22.0 e Analise de conteúdo Temático. Este estudo respeitou a Resolução 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2566

Apontamentos

  • Não há apontamentos.