ANÁLISE DO CONCEITO DE INSUCESSO DA CATETERIZAÇÃO INTRAVENOSA PERIFÉRICA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS

John Almeida Damasceno

Resumo


A Cateterização Intravenosa Periférica (CIP) tem sido o procedimento mais comumente utilizado na terapêutica clínica de crianças hospitalizadas para o estabelecimento da Terapia Intravenosa (TIV). Entretanto, dependendo das condições da rede venosa da criança, os trabalhadores da saúde terão dificuldades para o estabelecimento de um acesso venoso periférico, gastando muito tempo executando diversas tentativas de CIP, o que provocará estresse, dor e sofrimento à criança.
Esse não estabelecimento do acesso venoso pode ser conhecido como insucesso. Alguns autores o definem como a não realização da cateterização intravenosa periférica na primeira tentativa (AVELAR et al., 2013; LARSEN et al., 2010; CARR et al., 2015) ou quando é necessário realizar mais que três tentativas (WITTING, 2011). Sendo assim, observa-se que não há definição única e padronizada para esse evento, o que resulta na necessidade de estabelecer e clarificar este conceito.
Isto posto, na tentativa de responder ao seguinte questionamento: “que conceito pode ser atribuído ao insucesso na CIP periférica em crianças hospitalizadas à luz da literatura nacional e internacional e expertise clínica de trabalhadores da saúde?”, o objetivo deste trabalho consiste, assim, em analisar o conceito de insucesso da CIP em crianças hospitalizadas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2584

Apontamentos

  • Não há apontamentos.