Montagem de equipamento, utilizando garrafas PET, para determinação de curva de retenção de umidade (CRU)

Jardel Sodré Farias

Resumo


A importância de estudar solos não saturados reside não somente no fato de a grande maioria dos solos serem encontrados nesse estado, mas também devido à necessidade de compreender fenômenos até pouco tempo desconsiderados nos projetos e nas análises de engenharia (Marinho, 2005). Os solos não saturados apresentam condições melhores em suas propriedades, tais como aumento de resistência e menor permeabilidade na presença de fluidos contaminantes, dependendo das condições que se encontram no campo em termo de manutenção de obras.
Uma das principais características dos solos não saturados é a relação entre a umidade volumétrica e a magnitude de sucção, ao longo de uma camada de solo. Essa relação é descrita pela Curva de Retenção de Umidade do Solo (CRU), ou curva característica do solo (Fredlund & Rahardjo, 1993).
Para determinação experimental da CRU do solo, existem vários métodos: centrífuga de pequena escala, extrator de placa de pressão volumétrica, técnica da translação de eixo, célula de pressão, entre outros. No entanto, esses métodos necessitam de um aparato experimental de alto custo, o que muitas vezes inviabiliza a realização do ensaio. Existe também a técnica do papel filtro que, embora de baixo custo, pode apresentar erros devido à sensibilidade do papel filtro (Dias 2012; Marinho, 2005).
Neste trabalho, foi montado um equipamento com uma nova técnica de baixo custo e sustentável, utilizando garrafa PET, proposta por Sousa (2012), para determinar a CRU dos solos de 0 kPa – 19,6 kPa. Também foi utilizado o higrómetro do ponto de condensação WP4C, para complementar a curva nos intervalos de 100kPa – 200MPa. Para realização desses ensaios, coletou-se um solo do Centro Industrial Subaé de Feira de Santana-BA, o qual foi caracterizado geotecnicamente.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.3513

Apontamentos

  • Não há apontamentos.