PELAS ÁGUAS, HISTÓRIAS E MEMÓRIAS DE CIPÓ, BAHIA

Edivasco dos Reis Carneiro

Resumo


Este artigo, que é parte de uma tese de Doutoramento em Geografia defendida recentemente, buscou analisar as dinâmicas socioculturais da primeira Estância Hidromineral de Cipó. Para auxiliar nesta busca, descrevi o processo de turistificação deste lugar; caracterizei as dinâmicas socioculturais existentes; analisei os modos de fazer e viver o artesanato local; por fim, discuti o papel do turismo nas dinâmicas socioculturais caracterizadas. Adotou-se, por sua vez, uma abordagem qualitativa de investigação a partir de entrevistas semiestruturadas com os sujeitos da pesquisa (artesãos; gestores públicos e turistas/visitantes). Em Cipó, o turismo acontece de forma desorganizada, sem um planejamento eficaz e participativo; assim, não há o destaque dos seus principais elementos: suas águas e o artesanato. Esperase com este artigo dar subsídios para pensar políticas públicas e de planejamento territorial tendo o turismo cultural como uma alternativa viável para o desenvolvimento sociocultural e, também, econômico deste lugar. 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/sitientibus.v0i59.4881

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Versão Impressa 0101-8841