Termites in historical buildings and residences in the semiarid region of Brazil

Antonio Paulino de Mello, Bruno Guedes da Costa, Amanda Cosme da Silva, Ana Márcia Barbosa Silva, Maria Avany Bezerra-Gusmão

Abstract


Este estudo avaliou as infestações de térmitas em edifícios históricos (HB) e residências (RB) em cinco cidades do semi-árido brasileiro (A1: Fagundes; A2: Pocinhos; A3: Alagoa Grande; A4: Areia; A5: Bananeiras). 89% dos edifícios históricos "e 62% dos edifícios residenciais" ataques foram causados por nove espécies de cupins, pertencentes a seis gêneros e três famílias (Kalotermitidae, Rhinotermitidae e Termitidae). A maior abundância em A3, A4 e A5 ( Amitermes amifer , Heterotermes tenuis , H. sulcatus , H. longiceps, cupins de madeira seca, Neotermes sp. e Nasutitermes corniger ), relativo a A1 e A2 (cupim de madeira seca, Nasutitermes sp.1 , Nasutitermes sp.2, N. corniger e Microcerotermes strunckii ). N. corniger cupim de madeira seca foram responsáveis por 66,9% e 33,1% para as infestações em MP e 29,7% e 72,3% no RB, respectivamente. Um prejuízo econômico foi estimado em R $ 1.345.563,00. Não houve correlação entre a quantidade de infestação e a idade dos edifícios, e entre a humidade e o número da infestação. No entanto, o RB apresentam uma correlação negativa com a umidade. Possivelmente, a ausência de mecanismos preventivos de controle de infestação associados à perda de habitat natural desses insetos, associados com a expansão da urbanização, explicar os altos índices de infestação registrados.

 

 


Keywords


Infestation; Isoptera; urban environment; damage

Full Text:

PDF

References


Albuquerque, A.C., Matias, G.R.R.S., Couto, A.A.V.O., Oliveira, M.A.P., Vasconcellos, A. (2012). Urban Termites of Recife, Northeast Brazil (Isoptera). Sociobiology, 59:1-6.

Bacchus, S. (1987). A taxonomic and biometric study of the genus Cryptotermes (Isoptera, Kalotermitidae). Tropical Pest Bulletin, 7:1 - 91.

Bandeira, A. G., Gomes, J. I., Lisboa, P. L. B., Souza, P. C. (1989). Insetos pragas de madeira de edificações em Belém, Pará. Embrapa/cpatu. Bol. De pesquisa, 4: 1-25.

Bandeira, A. G., Miranda, C. S., Vasconcellos, A. (1998). Danos causados por cupins em João Pessoa, Paraíba - Brasil. In: Fontes, L. R. & Berti-Filho, E. (eds.) Cupins: O desafio do conhecimento. Piracicaba: FEALQ.

Barrilari, C. T. (2002). Durabilidade da Madeira do gênero Pinus tratada com preservantes: avaliação em campo de apodrecimento. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba.

Brazolin, S. (2006). Biodeterioração de árvores urbanas e anláise de risco de queda. In: X Congresso Brasileiro de Arborização Urbana Maringá-PR.

Bustamente, N.C.R., & Martius, C. (1998). Nutritional preferences of wood-feeding termites inhabiting floodplain forest of the Amazon river, Brazil. Acta Amazonica, 28: 301-307.

Campos, M. B. S., Alves, S. B., Macedo, N. (1998). Seleção de iscas celulósicas para o cupim Heterotermes tenuis (Isoptera: Rhinotermitidae) em cultura de cana-de-açúcar. Scientia Agricola, 55: 480-484.

Constantino, R. (1999). Chave ilustrada para identificação dos gêneros de cupins (Insecta: Isoptera) que ocorrem no Brasil. Papéis Avulsos de Zool., 40: 387-448.

Constantino, R. & Dianese, E. C. (2001). The urban termite fauna of Brasília, Brazil. Sociobiology, 38 (3): 323-326.

Constantino, R. (2005). Padrões de diversidade e endemismo de térmitas no bioma Cerrado. In A.O. Scariot, J.C.S. Silva, & J.M. Felfili (Eds.), Cerrado: Ecologia, Biodiversidade e Conservação (pp. 319–333). Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

Costa, D.A., Filho, K.E.S., Brandão, D. (2009). Distribution patterns of termites on urban region of Goiânia, Goiás, Brazil. Iheringia, Sér. Zool. 99: 364-367.

Edwards, R. & MILL, A. E. (1986).Termites in buildings: their biology and control. Rentokil Limited. (pp. 261).

Eleotério, E. S. R., Berti Filho, E. (2000). Levantamento e identificação de cupins (Insecta: Isoptera) em área urbana de Piracicaba – SP. Ciência Florestal, 10: 125-139.

Ferraz, M. V. & Cancello, E. M. (2001). Swarming behavior of the economically most important termite, Coptotermes havilandi (Isoptera: Rhinotermitidae), in Southeastern Brazil. Sociobiology, 38 (3): 683-693.

Fontes, L. R. (1995). Cupins em áreas urbanas. In: Berti Filho, E. & FONTES, L. R. (Ed.). Alguns Aspectos Atuais da Biologia e Controle de Cupins. Piracicaba: FEALQ (pp.57-76).

Fontes, L. R. & Berti-Filho, E. (1998). Cupins - O desafio do conhecimento. FEALQ.

Garcia, J., OLIVEIRA, R. M., MODERNELL, E., CASTRO, S. (1993). Cupim o inimigo secreto. Globo Ciência. p. 30-38.

Harris, W. V. (1971). Termites: their recognition and control. England: Longman Group Ltda., 2 ed., (pp.186).

Hedges, S. (1998). Add-on for termite control. Pest Control Technology. (pp. 30-35).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de indicadores sociais 2010: Coordenação de população e indicadores sociais. Disponível em: .

Inmet. (2012). Instituto Nacional de Metereologia: Boletim agroclimatológico. Secção de apoio a agricultura e recursos hídricos.

Krishna, K., Grimaldi, D. A., Hrishna, V., Engel, M. S. (2013). Treatise on the Isoptera of the world. Bulletin of American Museum of Natural History, n.377. doi: 10.1206/377.7

Lelis, A. T. (1995). Cupins urbanos: biologia e controle. In: Berti Filho, E. (Ed.) e Fontes, L. R. (Ed.). Alguns Aspectos Atuais da Biologia e Controle de Cupins. FEALQ (pp.77-80).

Levings, S.C. & Adams, E.S. (1984). Intra – interspecific territoriality in Nasutitermes (Isoptera: Termitidae) in a Panamanian mangrove forest. Journal of Animal Ecology, 53: 705-714.

Matias, G. R. R. S., Albuquerque, A. C., Matias, M. P., Silva, E. P. V., Oliveira, C. M. A. S., & Oliveira, M. A. P. (2006). Os cupins urbanos em Jardim Paulista, Paulista-PE. Diversidade econtrole. O Biológico, 68: 58-61.

Martins, M.F., Oliveira, L.S., Gatto, D.A., Ferreira, E.S. (2008). Resistência natural de madeiras ao ataque de Cryptotermes brevis (Walker): Estudo de caso da Biblioteca Pública Pelotense. In: XVII Congresso de Iniciação Científica e X Congresso de Pós-Graduação. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas-RS.

Mcmahan, E. (1962). Laboratory studies of colony establishment and developmentin Cryptotermes brevis (Walker) (Isoptera: Kalotermitidae). Proceedings ofthe Hawaiian Entomological Society, 18:145-153.

Mill, A. (1991). Termites as structural pests in Amazonia, Brazil. Sociobiology, 19 (2): 339-349.

Milano, S. & FONTES, L. R. (2002). Termite pests and their control in urban Brazil. Sociobiology, 40 (1): 63-177.

Oliveira, C.M.A.S., Matias, G.R.R.S., Silva, S.B., Moraes, F.M., Albuquerque, A.C. (2006). Diversidade de cupins no Ibura: área urbana do Recife-PE. O Biológico, 68: 264-266.

Pizano, M.A., & Fontes, L.R. (1986). Ocorrência de Heterotermes tenuis (Hagen, 1858) e H. longiceps (Snyder,1924) (Isoptera, Rhinotermitidae) atacando cana-de-açúcar no Brasil. Brasil Açucareiro, Rio de Janeiro, 104: (pp.29).

Spear, P.J. (1970). Principles of termite control. In: KRISHNA, K & WEESNER, M. (Ed.). Biology of termites. Academic Press, 2: 577-604.

Steward, R. C. (1983). Microclimate and colony foundation by imago and neotenic reprodutives of drywood temite species (Cryptotermes sp.) (Isoptera: Kalotermitidae). Sociobiology, 7(3): 311-331.

Thorne, B., & Noirot, C. (1982). Ergatoid reproductives in Nasutitermes corniger(Motschulsy) (Isoptera: termitidae). J. Insect Morphol Embryol., 11:.213-226.

Torales, G. J., Laffont, E.R., Arbino, M.O., Godoy, M.C. (1997). Primeira lista faunística de los Isopteros de la Argentina. Revista de la Sociedade Entomologica Argentina, 56: 47-53.

Vasconcellos, A., Bandeira, A.G., Miranda, C.S., Silva, M.P. (2002). Termites (Isoptera) Pests in Buildings in João Pessoa,Brazil. Sociobiology, 40(2): 1-6.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/sociobiology.v61i3.318-323

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


JCR Impact Factor 2018: 0.604