Nível de atividade física de jovens acadêmicos de fisioterapia de uma instituição privada de ensino superior no município de Fortaleza, Ceará

Autores

  • Thaisa Vieira Miranda Centro Universitário Estácio do Ceará
  • Edinice de Sousa Modesto Centro Universitário Estácio do Ceará
  • Kelle Cristina de Almeida Menezes Centro Universitário Estácio do Ceará
  • Antônia Eduarda da Silva Fernandes Centro Universitário Estácio do Ceará
  • Raimunda Hermelinda Maia Macena Universidade Federal do Ceará
  • Vasco Pinheiro Diógenes Bastos Centro Universitário Estácio do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v10i1.4612

Palavras-chave:

Atividade Física, Saúde, Sedentarismo.

Resumo

A inatividade física é uns dos principais fatores de risco para desenvolvimento de complicações cardiovasculares, respiratórias e alterações degenerativas que se desenvolvem ao decorrer da vida e manifestam-se geralmente na fase de envelhecimento. Sendo assim, o presente estudo teve como objetivo analisar o nível de atividade física de acadêmicos jovens de fisioterapia de uma Instituição de Ensino Superior Privada no município de Fortaleza/CE. Trata-se de um estudo transversal com 91 estudantes. Para a coleta de dados foi utilizado o IPAQ – questionário internacional de atividade física. Os dados foram analisados a partir da estatística descritiva e inferencial através do software estatístico Microsoft Office Excel 2013. A amostra apresentou idade média de 23,85 ± 2,05 anos, predominantemente do gênero feminino, representando 76,92% (n = 70) e 54,94% (n = 50) dos alunos consideram-se pardos. A classificação do nível de atividade física como sedentário foi igual a 13,19% da amostra e muito ativo foi de 5,50%, havendo maior prevalência de indivíduos insuficientemente ativos (70,33%). Conclui-se que os acadêmicos não praticam nenhuma atividade física e/ ou não seguem as recomendações de tempo gasto em atividades moderadas e intensas e que um número pequeno de indivíduos ativos é insuficientemente ativo. Com isso, uma mudança nos hábitos em relação a prática regular de atividade física deve ser implementada para prevenir doenças que se manifestam ao longo da vida

 

LEVEL OF PHYSICAL ACTIVITY OF YOUNG PHYSIOTHERAPY STUDENTS FROM A PRIVATE HIGHER EDUCATION INSTITUTION IN FORTALEZA, CEARÁ

Physical inactivity is one of the major risk factors for developing cardiovascular and respiratory complications as well as degenerative changes that usually manifest in the aging phase. Thus, the present study aimed to analyze the physical activity level of young physiotherapy students from a Private Higher Education Institution in Fortaleza/CE. This is a cross-sectional study with 91 students. For data collection we used the IPAQ – international questionnaire of physical activity. Data were analyzed using descriptive and inferential statistics using the statistical software Microsoft Office Excel 2013. The sample had a mean age of 23.85 ± 2.05 years, predominantly female, representing 76.92% (n = 70) and 54.94% (n = 50) of the students consider themselves brown. Physical activity level was classified as sedentary to 13.19% and highly active to 5.50%, with a higher prevalence of insufficiently active individuals (70.33%). It is concluded that the students do not practice any physical activity and/ or do not follow the recommendations of time spent in moderate and intense activities and that a small number of active individuals is insufficiently active. Therefore, a change in habits in relation to the regular practice of physical activity should be implemented to prevent diseases that manifest throughout life.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Haskell WL, Lee IM, Pate RR, Powell KE, Blair SN, Franklin BA, Macera CA, Heath GW, Thompson PD, Bauman AA.Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Med Sci Sports Exerc. 2007; 39(8): 1423-1434.

Bauman AE. Updating the evidence that physical activity is good for health: an epidemiological review 2000-2003. J Sci Med Sport 2004; 7(1 Supl): 6-19.

Matsudo SM, Matsudo VR, Araújo T, Andrade D, Andrade E, Oliveira L,Braggion G. Nível de atividade física da população do Estado de São Paulo: análise de acordo com o gênero, idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Rev. bras. ciênc. mov. 2008; 10(4): 41-50.

World Health Organization (WHO) 2011. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneve: World Health Organization; 2011. Disponível em: https://www.who.int/nmh/publications/ncd_report2010/en/. [2019 set 8].

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: https:// www.saude.gov.br/vigilancia-em-saude/vigilancia-dedoencas-cronicas-nao-transmissiveis-dcnt/plano-de-acoesestrategicas-para-o-enfrentamento-das-doencas-cronicasnao-transmissiveis-dcnt. [2019 set 8]

Junior Farias CJ, Mendes JKF, Barbosa DBM, Lopes AS. Fatores de risco cardiovascular em adolescentes: prevalência e associação com fatores sociodemográficos. Rev. bras. epidemiol. 2011; 14(1): 50-62.

Tenório MC, Tassitano RM, Tenório JM, Hallal PC. Atividade física e comportamento sedentário em adolescentes estudantes do ensino médio. Rev. bras. epidemiol. 2010; 13(1): 105-117.

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Geneva: World Health Organization; 2010. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44399/9789241599979_eng. pdf sequence=1. [2019 set 8].

Freitas D, Rodrigues CS, Yagui CM, Carvalho RS, MarchiAlves LM. Fatores de risco para hipertensão arterial entre estudantes do ensino médio. Acta Paul Enferm. 2012; 25(3): 430-434.

Lee IM, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT. Lancet Physical Activity Series Working Group: Effect of physical inactivity on major non communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet 2012; 380(9839): 219-229.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2014 Saúde Suplementar: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. / Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar. – Brasília: Ministério da Saúde,2015.

Azevedo MR, Araújo CL, Silva MC, Hallal PC. Tracking of physical activity from adolescence to adulthood: a population-based study. Rev. Saúde Públ. 2007; 41(1): 69-75.

Brasil. [Estatuto da Juventude (2013)]. Estatuto da juventude: atos internacionais e normas correlatas. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas; 2013. 103 p.

Guedes DP, Lopes CC, Guedes JERP. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física em adolescentes. Rev Bras Med Esporte 2005; 11(2): 151-158.

Netto RSM, Silva CS, Costa D, Raposo OFF. Nível de atividade física e qualidade de vida de estudantes universitários da área de saúde. Rev. bras. ciênc. saúde 2012; 10(34): 47-55.

Maciel ES, Sonati, JG, Quaresma FRP, Modeneze DM, Gomes GAO, Barbosa TC, Junior GBV, Vilarta R. Estilo de vida de universitários residentes em moradia estudantil. R. bras. Qual. Vida 2016; 8 (2); 142-158.

Pires CG, Mussi FC, Cerqueira BB, Pitanga FJ, Silva DO. Prática de atividade física entre estudantes de graduação em enfermagem. Acta Paul Enferm. 2013; 26(5): 436-43.

Jung ME, Bray SR, Martin Ginis KA. Behavior change and the freshman 15: tracking physical activity and dietary patterns in 1st-year university women. J Am Coll Health 2008; 56(6): 523-530.

Blair SN, Morris JN. Healthy hearts--and the universal benefits of being physically active: physical activity and health. Ann Epidemiol. 2009; 19(4): 253-256.

Cardoso AM, Mattos IE, Koifman RJ. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares na população Guaraní-Mbyá do Estado do Rio de Janeiro. Cad. saúde pública 2001; 17(2): 345-354.

Samulski DM, Noce F. A importância da atividade física para a saúde e qualidade de vida: um estudo entre professores, alunos e funcionários da UFMG. Rev Bras Ativ Fis Saúde 2000; 5(1): 5-21.

Warburton DE, Nicol CW, Bredin, SS. Health benefits of physical activity: the evidence. CMAJ 2006; 174(6): 801-809.

Ribeiro WEM, Teixeira GP, Coelho DML, Zanotelli GAC. Análise do nível de prática de atividade física dos acadêmicos de fisioterapia do centro universitário christus. Rev. Saúde Públ. 2015; 8(3): 67-79.

Duca GFD, Nahas MV, Hallal PC, Peres KG. Atividades físicas no lazer entre adultos de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil: estudo populacional sobre as características das práticas e de seus praticantes. Ciênc. Saúde Colet. 2014; 19(11): 4595-4604.

Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls and prospects. Lancet. 2012; 380 (9839): 20-30.

Ramos APQ, Costa RÉA, Bezerra LD, Lopes CMI, Menezes VA. Prevalência e Fatores Associados à Prática de Atividade Física entre Universitários da Saúde. RAS 2019; 10(59): 10-18.

Souza IECD, Bonfante ILP, Junior Moraes FB, Lopes WA. Níveis de atividade física e estágios de mudança de comportamento de universitários da área de saúde. Rev Bras Ativ Fis Saúde 2015; 20(6): 608-610.

Downloads

Publicado

2020-05-24

Como Citar

Miranda, T. V., Modesto, E. de S., Menezes, K. C. de A., Fernandes, A. E. da S., Macena, R. H. M., & Bastos, V. P. D. (2020). Nível de atividade física de jovens acadêmicos de fisioterapia de uma instituição privada de ensino superior no município de Fortaleza, Ceará. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 10(1), 7–12. https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v10i1.4612

Edição

Seção

Artigos
Share |