Perfil sistêmico dos usuários do Serviço de Cirurgia da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia

Autores

  • Eduardo Francisco Deus Borges Serviço de Residência em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da Universidade Federal da Bahia/ Obras Sociais Irmã Dulce.
  • Beatrice Caroline Medeiros Bandeira De Sousa
  • Ingrid Esteves de Villemor Amaral
  • Maria Cristina Teixeira Cangussu
  • Weber Ceo Cavalcante

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v10i1.4871

Palavras-chave:

Hipertensão, Doença Crônica, Cirurgia Bucal

Resumo

Introdução: Doenças sistêmicas não controladas podem acarretar complicações durante procedimentos cirúrgicos ambulatoriais como, extrações dentárias. Objetivo: Avaliar doenças sistêmicas mais prevalentes e traçar um perfil dos pacientes atendidos no ambulatório de cirurgia da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia. Método: Estudo transversal com 454 pacientes que procuraram o serviço de cirurgia da Faculdade de Odontologia, as informações foram coletadas a partir de um questionário. Resultados: Predomínio pela faixa etária de 31-50 anos, sexo feminino, melanodermas, solteiros. 14,7% eram tabagistas, 35,9% etilistas, 55,2% com Índice de Massa Corporal indicando sobrepeso ou algum grau de obesidade, 65,9% com circunferência abdominal indicando risco de comprometimento metabólico e 55,9% dos entrevistados alegaram não possuir doenças sistêmicas. As doenças mais prevalentes foram: hipertensão arterial sistêmica (24,1%), gastrite (13,5%) e diabetes (9,4%). Conclusão: Devido à alta prevalência de doenças sistêmicas muitas vezes não controladas associadas aos usuários do ambulatório de cirurgia da Faculdade de Odontologia, os pacientes se beneficiariam de um referencial para atendimento médico ambulatorial afim de que os auxiliassem com seus problemas clínicos para seguir o tratamento odontológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Eduardo Francisco Deus Borges, Serviço de Residência em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da Universidade Federal da Bahia/ Obras Sociais Irmã Dulce.

Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal da Bahia (2015.1). Foi interno do Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da Universidade Federal da Bahia/Hospital Geral do Estado/Obras Sociais Irmã Dulce. Foi estagiário voluntário do curso de Cirurgia para Implantes e do curso de Cirurgia Oral menor no Centro de Especialidades Odontológicas (CEBEO) na graduação realizou monitoria voluntaria nas disciplinas de Cirurgia I e II, em curso de atualização de cirurgia para implantes na instituição CEBEO

Referências

Andriola FO, Toassi RFC, Paris MF, Baraldi CEE, Freddo AL. Perfil sociodemográfico, epidemiológico e comportamental dos pacientes atendidos no ambulatório de exodontia da FO-UFRGS e a efetividade dos atendimentos realizados. Arq Odontol. 2015; 51(2): 104-11.

Sponchiado Júnior EC, Souza TB. Estudo da demanda ambulatorial da clínica de odontologia da Universidade do Estado do Amazonas. Ciênc. saúde coletiva 2011; (Supl. 1): 993-7.

Ruilope LM, Chagas ACP, Brandão AA, Gómez-Berroterán R, Alcalá JJA, Paris JV, Cerda JJO. Hypertension in Latin America: Current perspectives on trends and characteristics. Hipertensión y Riesgo Vascular 2016; 34(1): 50–56.

Pszysienzny PE, Milanezi LA, Pszysienzy LTS, Cordeiro FP. Perfil da Situação Sistêmica do Pacientes pré-exodontia em Postos de Saúde de Curitiba. Arq Oral Research 2011; 7(2):129-40.

Araujo Filho ACA; Almeida PD; Araújo AKL; et al. Epidemiological profile of diabetes mellitus in a northeastern brazilian state. Rev Fund Care Online2017; 9(3):641-647.

Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq. Bras. Cardiol. 2016; 107(Supl. 3): 1-83.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2017: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2017. Brasília; 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. HAS para o SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. 58p.

Oliveira JEP, Vencio S. Diretrizes SBD 2013-2014. Rio de Janeiro (RJ): Editora Gen, 2014.

Silva JV, Natallia, Tiago NCR, Braga RRS; Carrijo MO; Giovani AR. Perfil dos Pacientes Atendidos na Policlínica de Odontologia da Faculdade Mineirense – FAMA-GO. RSM Revista Saúde Multidisciplinar 2015; (3); 162-175.

Melo JC, Elias DC, Souza RD, Oliveira LR. Perfil dos Pacientes Atendidos na Clínica Odontológica da Unincor. Revista da Universidade Vale do Rio Verde 2014: 12(1); 614-620.

Guggenheimer J, Bilodeau E, Barket S. Medical Conditions and Medication use in a U.S. Dental School Clinic Population. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol 2015;119(4):379-84.

Peres MA, Barbato PR, Reis SCGB, Freitas CHSM, Antunes JLF. Perdas Dentárias no Brasil: Análise da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal. Rev. Saúde Públ. 2014; 47(3):78-89.

Lessa I, Magalhães L, Araújo MJ, Almeida Filho N, Aquino E, Oliveira MMC. Hipertensão Arterial na População Adulta de Salvador (BA) – Brasil. Arq. Bras. Cardiol. 2006; 87(6):747-53.

Malta DC, Moura L, Escalante JC et al. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol. Serv. Saúde 2014; 23(4):599-608

Nadruz W, Claggett B, Henglin M, Shah AM, Skali H, Rosamond WD, Cheng S. Racial Disparities in Risks of Stroke. N Engl J Med 2017; 376(21): 2089-2090.

Costa RM, Teixeira LG, Azoubel E, Azoubel MCF, Azevedo FCG. O Paciente Diabético na Clínica Odontológica: Diretrizes Para o Acolhimento e Atendimento. R brasci Saúde 2016; 20(4):333-340.

Varga IVD, Cardoso RLS. Controle da hipertensão arterial sistêmica na população negra no Maranhão: problemas e desafios. Saúde Soc. 2016; 25(3): 664-671.

Moretto MC, Fontaine AM, Garcia CAMS et al. Associação entre cor/raça, obesidade e diabetes em idosos da comunidade: dados do Estudo FIBRA Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2016; 32(10): e00081315.

Goodwin R, Cowles R, Galea S, Jacobi F. Gastritis and mental disorders. Journal Of Psychiatric Research 2013; 47(1): 128-132.

Luo J, Wang T, Liang S et al. Experimental gastritis leads to anxiety and depression like behaviors in female but not male rats. Behav. Brain Funct. 2013; 9(1): 46.

Downloads

Publicado

2020-08-18

Como Citar

Borges, E. F. D., De Sousa, B. C. M. B., Amaral, I. E. de V., Cangussu, M. C. T., & Cavalcante, W. C. (2020). Perfil sistêmico dos usuários do Serviço de Cirurgia da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 10(1), 31–37. https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v10i1.4871

Edição

Seção

Artigos
Share |