O ENSINO ÉTICO DOS AFETOS EM BENEDICTUS DE SPINOZA

Carlos Wagner Benevides Gomes

Resumo


Este artigo tem por objetivo mostrar o problema da educação mesmo que não explícito no pensamento do filósofo holandês Benedictus de Spinoza (1632-1677). Analisando algumas obras de Spinoza como a Ética e o Tratado da Reforma da Inteligência, voltadas para questões ontológicas, epistemológicas e éticas, apresentaremos como é possível inferir uma proposta de ensino segundo uma ética dos afetos. Para tanto, relacionaremos a teoria dos afetos e do conatus e Spinoza com a proposta de uma educação movida por afetos ativos, ou seja, que estimulam o desejo de conhecer, a autonomia do agir e o pensamento livre, que são contrários a uma educação movida por afetos passivos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i35.1884

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384