VOLUNTARISMO FRANCÊS, IDEALISMO E PRAGMATISMO: UMA CONTRAPOSIÇÃO ENTRE AS NARRATIVAS DE RICHARD RORTY E SUSAN STEBBING

HILTON LEAL DA CRUZ

Resumo


O Presente artigo pretende comparar alguns aspectos da narrativa que a filósofa Susan Stebbing (1885-1943) desenvolve em seu livro Pragmatism And French Voluntarism (1914) com algumas descrições do idealismo alemão desenvolvidas pelo filósofo americano Richard Rorty (1931-2007). Um dos motivos para realizar esse trabalho, sobretudo experimental, de comparar as leituras de dois filósofos sobre tradições filosóficas diferentes, são as evidentes semelhanças que o idealismo alemão apresenta com o voluntarismo francês e as afinidades – bem como divergências - que essas duas tradições possuem com o pragmatismo americano. Longe de pretender neutralidade, minha leitura consistirá em uma aplicação do historicismo rortyano às posições da Profª Stebbing. Desse modo, espero oferecer uma chave de leitura alternativa para a compreensão do voluntarismo francês e da proposta dos representantes dessa tradição, inclusive do mais conhecido expoente desta, o filósofo Henri Bergson (1859-1941), em sua relação com a Modernidade. Ao final, o texto também defende que o voluntarismo francês, no que ele tem de aproveitável para nós, filósofos secularistas e antiessencialistas -, pode ser descrito como uma forma de pragmatismo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i37.3529

Apontamentos

  • Não há apontamentos.