HUBERT DREYFUS E O ANTICARTESIANISMO HEIDEGGERIANO

Rodrigo Benevides Barbosa Gomes

Resumo


Trata-se aqui de demonstrar a utilização da obra heideggeriana no contexto do surgimento da inteligência artificial assim como encontra-se em Hubert L. Dreyfus. A crítica de Dreyfus se resume em apontar o cognitivismo - paradigma dominante dos primórdios da inteligência artificial - como a aplicação empírica do racionalismo filosófico, isto é, a abordagem cognitivista argumenta que a cognição humana pode ser reproduzida a partir da formalização de determinadas representações rigidamente fixadas que serviriam como fundamento para a efetivação de comportamento inteligente. Em vista disso, apresenta-se o anticartesianismo heideggeriano de Dreyfus como a antítese do cognitivismo.

Texto completo:

PDF

Referências


CHEMERO, A.; KAUFER, S. Phenomenology: An Introduction. Cambridge: Polity Press, 2015.

DREYFUS, H. L. Being-in-the-World: A Commentary on Heidegger’s Being and Time, Division I. Cambridge: MIT Press, 1991.

_______. What Computers Still Can't Do: A critique of Artificial Reason. Cambridge: MIT Press, 1992.

_______. Why Heideggerian Artificial Intelligence failed and how fixing it would require making it more Heideggerian. In: Philosophical Psychology. Londres, 20:2, 2007, p.247-268.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2005;

_______. Os Problemas Fundamentais da Fenomenologia. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2012; HUSSERL, E. Ideias para uma Fenomenologia Pura e para uma Filosofia Fenomenológica. São Paulo: Editora Ideias e Letras, 2006;

MERLEAU-PONTY, M. A Estrutura do Comportamento. Tradução de M. V. M. de Aguiar. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

________. Fenomenologia da Percepção. Tradução C. A. de Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

________. A Natureza: Curso do Collège de France. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i38.4298

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384