A ANALÍTICA DO DASEIN: A VIA HEIDEGGERIANA DE INTERPRETAR OS MODOS DE SER DO ENTE HUMANO

Ila Nunes Silveira

Resumo


Neste artigo será explicitada a destruição heideggeriana à ontologia tradicional em seu modo de categorizar o ser. Eis-nos diante da hercúlea tarefa de apresentar algo que desconstrói uma concepção já legitimada e constantemente difundida no universo científico. Tão antiga e ao mesmo tempo atual, essa preocupação heideggeriana corroborou para a crise do espírito da época que despontava para uma a posição reinante das ciências naturais criadora de teorias, termos e significados “absolutos”. Com mais detalhes será apresentada a crítica heideggeriana ao modo como a ontologia tradicional pensou a questão do ser, o que fará com que o filósofo alemão retome e reformule a referida questão percorrida por outros caminhos inaugurados por ele. Na execução desta tarefa serão apresentadas as vias por onde Heidegger passa, a fim de chegar ao modo pleno de contemplação do homem, isto é, à concepção de Dasein. Algumas características deste olhar heideggeriano perfazem o caminho a ser percorrido aqui nesta investigação, tomando por base a ontologia fundamental deste autor. Ontologia essa que se apresenta de forma genuína a esse filósofo e que influenciou de maneira revolucionária o pensamento filosófico contemporâneo. Para tanto, Heidegger se propõe a pensar “a questão do ser”, destruindo então o discurso ontológico da filosofia tradicional, e se deixando conduzir pelo móvel da analítica do Dasein, no intuito de indagar sobre “o sentido do ser” e não mais sobre a quididade do ser como fizera a tradição filosófica. E é a partir das características descritas do Dasein que o ser humano deverá ser compreendido por Heidegger. Sendo assim, o intento maior deste artigo será a descrição dos modos fundamentais de ser do ente humano, o Dasein.

Texto completo:

PDF

Referências


DUBOIS, C. Heidegger: introdução a uma leitura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004. p. 15-30.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. 3 ed. Partes I e II, tradução de Marcia Sá Cavalcante Schuback, Petrópolis: Vozes; Editora Universitária São Francisco, 2008, p. 33-209 [Sein und Zeit, Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1977.]

___________. Conferências e escritos filosóficos (Os Pensadores). 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 36-59.

INWOOD, M. Dicionário Heidegger. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002. p. 30.

NUNES, B. Passagem para o poético: filosofia e poesia em Heidegger. São Paulo: Ática, 1986. p. 73.

RIBEIRO, C. V. A Ontologia Fundamental de Heidegger e a crítica à metapsicologia freudiana: o homem enquanto Dasein. In: LOPARIC, Zeljko; WALTON, Roberto (org.). Phenomenology. Zeta books, 2005. p. 423-428.

STEINER, G. As idéias de Heidegger.São Paulo: Cultrix, 1978, p. 73-78.

VATTIMO, G. Introdução a Heidegger.10 ed.Roma/Bari: Girus Laterza, 1996. p. 12-14.

ZARADER, M. Heidegger e as Palavras da Origem. Lisboa: Ed. Instituto Piaget. 1998. p. 164.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i38.4299

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384