ENTRE O DISCURSO E A ONTOLOGIA DO SER SOCIAL: POSSIBILIDADES DE UM DEBATE

Laurenio Leite Sombra

Resumo


O objetivo deste artigo é fazer um contraponto entre a teoria do discurso de Ernesto Laclau e Chantal Mouffe e a ontologia do ser social de Lukács. Tentamos expor que a dualidade estabelecida por Laclau e Mouffe entre contingência e necessidade, categorias fundamentalmente lógicas, não abarca a ontologia do ser social, que constitui uma objetividade que “tem a sua própria lógica”, nem da necessidade nem da contingência. Lukács, assim como Marx, parte do trabalho como categoria central da passagem de uma ontologia da natureza para
a ontologia do ser social. Aqui se argumenta que a linguagem tem o mesmo peso ontológico do trabalho. Inserindo-se essa dimensão na ontologia de Lukács, alguns dos elementos da teoria do discurso de Laclau e Mouffe, apesar de suas insuficiências, podem ser repensados.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i39.4563

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384