DESIGN DE IDENTIDADE E A DISCURSIVIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Autores

  • Érica Danielle Silva Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Resumo

RESUMO: Na esteira das problematizações pulsantes no domínio das práticas de subjetivação contemporâneas, a irrupção discursiva sobre políticas corporativas de diversidade é a questão fulcral das reflexões e das inquietações que estruturam este texto. Neste contexto, este artigo privilegia uma reflexão linguístico-discursiva sobre o funcionamento do design de identidade de marcas, considerando a relação entre criação de valor e discursivização da diversidade. Objetivamos, desse modo, compreender a produção de verdades por meio da visualidade da existência da diversidade em políticas institucionais, construídas e/ou potencializadas por meio do design de identidade. Para tanto, fundamentamo-nos nos pressupostos teórico-metodológicos do filósofo Michel Foucault (2016), sobretudo no que concerne às discussões sobre a verdade, em diálogo com autores da área do Design (TAI, 2018; WHEELER, 2019), especialmente Beccari (2020), que compreende o design como atividade discursiva. Tendo como corpus de análise um recorte do perfil da marca Natura em uma rede social, o gesto reflexivo-analítico revelou que construir e fazer circular a diversidade como um valor de marca não é apenas uma questão de representatividade, mas de visualidade enquanto verdade que está em disputa, que categoriza sujeitos e faz parte de um sistema de nomeação, de exclusão e de subjetivação.

PALAVRAS-CHAVE: Diversidade. Visualidade. Design de identidade. Verdade. Subjetivação.

 

ABSTRACT: In the wake of pulsating problematizations in the domain of contemporary subjectivation practices, the discursive outburst on corporate diversity policies is the central issue of the reflections and concerns that structure this text. In this context, this article favors a linguistic-discursive reflection on the functioning of brand identity design, considering the relationship between creating value and discursivizing diversity. In this way, we aim to understand the production of truths through the visuality of the existence of diversity in institutional policies, constructed and /or enhanced through the design of identity. Therefore, we are based on the theoretical and methodological assumptions of the philosopher Michel Foucault (2016), especially with regard to discussions about the truth in dialogue with authors in the field of Design (TAI, 2018; WHEELER, 2019), especially Beccari (2020), that understands design as a discursive activity. Having as a corpus of analysis a cut of the Natura brand profile in a social network, the reflexive-analytical gesture revealed that building and circulating diversity as a brand value is not only a matter of representativeness, but of visuality as a truth that is in dispute, which categorizes subjects and is part of a system of nomination, exclusion and subjectivation.

KEYWORDS: Diversity. Visuality. Identity Design. Truth. Subjectivation.

Biografia do Autor

Érica Danielle Silva, Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Professora colaboradora do Departamento de Língua Portuguesa da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Referências

BECCARI, Marcos; PORTUGUAL, Daniel; PADOVANI, Stephania. Seis eixos para uma filosofia do design. Estudos em Design. Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, 2017, p. 13-32.

BECCARI, Marcos. Das coisas ao redor: discurso e visualidade a partir de Foucault. São Paulo: Almedina, 2020.

FOUCAULT, Michel. Subjetividade e verdade: curso no Collège de France (1980-1981). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 1997. (Coleção obras de Michel Foucault)

______. A arqueologia do saber. 7.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007a.

______. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. 24.ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2007b.

______. O sujeito e o poder. In: RABINOW, P.; DREYFUS, H. Michel Foucault: uma trajetória filosófica (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

______. Subjetividade e verdade: curso no Collège de France (1980-1981) São Paulo> Editora WMF Martins Fontes, 2016. (Coleção obras de Michel Foucault)

FREITAS, Maria Ester de. Contexto, Políticas Públicas e Práticas Empresariais no Tratamento da Diversidade no Brasil. Revista Interdisciplinar de gestão social. set/dez 2015, v. 4, n. 3, p. 87-135.

GREGOLIN, Maria do Rosário. Foucault e Pêcheux na Análise do Discurso: diálogos & duelos. 3. ed. São Carlos: Editora Clara Luz, 2007.

INSTITUTO NATURA. Política de Diversidade, 2019. Disponível em: https://www.institutonatura.org/relatorioanual2019/Politica-de-Diversidade_Instituto_Natura_2019.pdf Acesso em: 02 fev. 2020.

MILANEZ, Nilton. A dessubjetivação de Dolores - escrita de discursos e misérias do corpo-espaço. Linguagem: Estudos e Pesquisas. Catalão-GO, vol. 17, n. 2, p. 367-390, jul./dez. 2013.

NATURA: reposicionamento da marca para reforçar valores e atributos. Case studies – Revista brasileira de management. 18 abr. 2019. Disponível em: https://casestudies.com.br/natura-reposicionamento-da-marca-para-reforcar-valores-e-atributos/ Acesso em: 02 fev. 2020.

NATURA. O instituto – Nossa história. 2020. Disponível em: https://www.institutonatura.org/nossa-historia/ Acesso em:

SCHULER, Maria; DE TONI, Deonir. Gestão da imagem de organizações, marcas e produtos: através do MCI: Método para Configuração de Imagem. São Paulo: Atlas, 2015.

TAI, Hsuan-Na. Design: conceitos e métodos. São Paulo: Blucher, 2018.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & Educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

WHEELER, Alina. Design de identidade de marca: guia essencial para toda a equipe de gestão de marcas. Tradução Francisco Araújo da Costa. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2019.

Downloads

Publicado

2021-12-14

Edição

Seção

Dossiê