A AULA DE FILOSOFIA COMO OFICINA DE CRIAÇÃO

Felipe Araújo, Filipe Ceppas

Resumo


O presente trabalho explora uma concepção de ensino de filosofia como ato de criação, e não apenas de reprodução, o que o aproxima da atividade artística.
Apresentamos, em primeiro lugar, a tese de Deleuze e Guattari de que a atividade filosófica consiste no processo de criar conceitos e que estes são ferramentas de intervenção no mundo. A partir daí, defendemos a atividade do professor de
filosofia como uma oficina, onde essas ferramentas podem ser utilizadas, ou mesmo novas ferramentas criadas, sempre que necessário, sempre que os problemas assim o exigirem.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v0i0.2986

Apontamentos

  • Não há apontamentos.